Administrar a gestão de conflitos nas empresas sempre foi uma preocupação para os gestores. Sabemos que conflitos, até um certo nível, são normais no ambiente de trabalho – o qual geralmente reúne pessoas de diferentes opiniões e personalidades. No entanto, para alcançar a harmonia entre os funcionários sem afetar a produtividade do negócio, toda a atenção deve ser dada ao assunto.

Ou seja, acompanhar o clima organizacional e o relacionamento entre as pessoas é responsabilidade diária do empreendedor, independentemente do porte de seu negócio e do ramo de sua organização.

Você pode baixar gratuitamente o nosso eBook Motivação e Desempenho: qual é o papel do RH nessa história

Neste post listamos os nove passos que devem ser dados para se administrar corretamente a gestão de conflitos na sua empresa. Confira:

1. Defina os valores da empresa

O primeiro passo para se administrar bem uma empresa é definir sua missão, seus valores e sua visão de futuro. Essas definições devem ser claras e transparentes para todos os colaboradores, uma vez que nortearão toda a conduta a ser seguida pelo quadro de funcionários. Além disso, devem ser observadas e defendidas por todos.

A partir dessas definições, é importante ressaltar que a postura individual deverá ser similar para todos. A ética e os princípios morais devem caracterizar o comportamento geral, independentemente do cargo e da posição hierárquica que a pessoa ocupe.

2. Conheça a sua equipe

Sabemos que cada pessoa tem uma personalidade própria. Para que você consiga administrar conflitos, é necessário que conheça bem os seus colaboradores. Procure se aproximar deles, tomando conhecimento sobre suas expectativas, seus desejos e seus gostos pessoais.

Busque se aprofundar um pouco na vida do funcionário fora do trabalho. Transmita segurança e preocupação com o futuro de cada um e de seus familiares. Incentive, por exemplo, o estudo e a prática de esportes.

Quanto mais sincero você for com eles, mais próximos eles ficarão de você. Isso se transformará em confiança mútua e auxiliará na administração de seus recursos humanos.

3. Identifique os problemas

É normal que surjam problemas de relacionamento ou conflitos entre os integrantes de uma equipe. Por mais homogêneo que seu pessoal seja, as diferenças sempre existem, e elas podem ocasionar dificuldades de convivência. Um problema pequeno pode se transformar em um sério desentendimento se não for diagnosticado a tempo e se sua solução não for trabalhada.

Primeiro, identifique onde está o problema ou conflito. Avalie a postura de cada um, a forma como está trabalhando, o modo como trata as outras pessoas e a ocorrência de erros funcionais no dia-a-dia. Tome cuidado: o conflito pode ser bem localizado, mas pode também extrapolar os limites de sua empresa quando o funcionário tiver contato com clientes ou fornecedores externos.

Converse com os interlocutores daquela pessoa que você identificou como parte do problema. Pegue o máximo de informações e exemplos válidos para embasá-lo. Ademais, tente se colocar no lugar de cada envolvido para facilitar a interpretação dos fatos.

4. Ouça seus colaboradores

Após a identificação do problema e o reconhecimento dos envolvidos no conflito, faça uma reunião com eles. Ouça atentamente cada lado, procurando não interromper durante a explanação. Se necessário, envolva outras pessoas que estejam próximas dos implicados.

5. Incentive a participação de todos

Incentive a participação de todos na resolução de conflitos. Explique que não se trata de uma “caça às bruxas”: o objetivo é resolver a questão da melhor forma possível, com o mínimo de consequência.

Deixe claro que passamos a maior parte de nosso dia com nossos colegas de trabalho e que, para o bem tanto da empresa quanto dos funcionários, é preciso um ambiente tranquilo, harmonioso e sem perturbações.

Peça que cada um fale sobre a sua interpretação dos fatos, mas fique atento a uma eventual intensificação e potencialização do conflito.

6. Seja neutro

Seja sempre o mais neutro possível. Escute todos os lados e não emita inicialmente nenhum juízo de valor. Todos precisam entender que a empresa não pode ser sacrificada e nem prejudicada por conflitos evitáveis.

Utilize algumas técnicas de condução de reunião: use um quadro branco ou um flip-chart para anotar as considerações que julgar importantes, deixando-as visíveis para todos. Tente também manter uma relação amistosa com os componentes da reunião, não tomando qualquer partido.

7. Tome a decisão

Busque sempre o consenso. Apaziguar o ambiente, tentando retornar ao status anterior ao conflito, é o melhor para as pessoas, para a empresa e para o próprio empreendedor.

Porém, sempre haverá uma ou outra situação em que será necessária a intervenção do superior para a solução da desavença. Neste cenário, a tomada de decisão deve ser feita o quanto antes. Não demore na solução e tenha sempre em mente que o melhor para a empresa deve prevalecer em todas as situações.

8. Faça um trabalho de engajamento

Sempre faça um trabalho de engajamento com todos os colaboradores de sua empresa. Tente mantê-los unidos e com o mesmo propósito: deixe claro que todos estão no mesmo barco e que o sucesso da empresa será o sucesso de todos.

Sempre que possível, chame a atenção aos valores da empresa e a conduta que cada um deve ter. Tenha o costume de dar feedback para seus liderados. Apresente os êxitos conseguidos e também onde cada um pode melhorar.

Outra dica é procurar na internet livros, filmes e palestras motivacionais que possam ser de utilidade e as divulgue para seus colaboradores.

9. Motive seus liderados

Elogie as pessoas que mantêm um bom relacionamento com os outros e que desempenham suas tarefas com bom humor. Pessoas positivas normalmente não se envolvem em conflitos e sabem manter um bom convívio com todos.

Para motivar ainda mais o seu time, procure fazer confraternizações nas datas importantes e promova sempre o trabalho em equipe, salientando que ninguém consegue se destacar isoladamente e sem a participação dos outros.

Por fim, lembre-se: conflitos podem ser mais íntimos, ou seja, não devem se tornar públicos sob pena de causarem problemas ainda maiores. Nesses casos, a prudência indica que o sigilo deve ser máximo e as divulgações mínimas. Quanto menos pessoas envolvidas, melhor.

Agora que você já conhece os principais passos a serem tomados para administrar a gestão de conflitos na sua empresa, não deixe de compartilhar o post nas redes sociais! Quem sabe você não ajuda outro gestor?

motivacao_desempenho_rh

Sobre o autor

Equipe Convenia