Funcionários desmotivados e desengajados podem ser verdadeiros matadores de negócio. É imprescindível, independente do tamanho da sua empresa, conseguir engajar e motivar funcionários para que eles produzam cada vez mais, melhor e o mais importante: para que sejam felizes em suas vidas profissionais. Mas como fazer isso? Em um mundo cheio de distrações, torna-se cada vez mais difícil elaborar estratégias eficientes de engajamento de colaboradores. Neste artigo vamos apresentar uma nova forma de engajar seus funcionários utilizando técnicas de Gamification.

Antes de tudo, o básico. O que são técnicas de Gamification?

Engana-se quem acredita que gamification é tornar qualquer coisa em um jogo. O nome que deriva do inglês “game” (jogo) pode levar a essa conclusão errada.

Na verdade, gamification é a teoria que utiliza técnicas científicas para promover e/ou ampliar comportamentos humanos.

Deu-se este nome, pois estas técnicas foram (e continuam sendo) muito utilizadas pela indústria de video-game para tornar os jogos atrativos e muitas vezes até viciantes para os jogadores.

Agora que você entendeu o conceito de gamification, fica claro do por que estas teorias podem ser ideais para engajar seus colaboradores, correto? Você está criando ferramentas para, na verdade, promover um comportamento positivo entre os colaboradores. Para fazê-los atingir os seus objetivos da melhor maneira possível e, com isso, fazer com que os objetivos da sua empresa sejam atingidos.

Os motivadores de qualquer ser humano

De acordo com a teoria de gamification propagada no livro Loyalty 3.0, a motivação pode ser intrínseca (você desenvolver uma atividade simplesmente por que ela te motiva) ou extrínseca (você inicia uma atividade por que fatores externos te levam a fazer tais tarefas). Vamos pensar, por exempo, em ir à academia. Você pode ir na academia para satisfazer motivadores intrínsecos (por exemplo, você quer ter uma performance melhor em algum esporte) ou por fatores extrínsecos (você vai receber uma promoção na sua empresa se você emagrecer – por algum motivo…).

Estudos indicam que os motivadores intrínsecos, ou seja, aqueles que são “auto-motivadores” são muito mais fortes e potentes do que os extrínsecos. Em resumo, seus funcionários trabalharão mais e melhor se as funções e tarefas que eles estiverem fazendo forem verdadeiros motivadores para eles. Se você acha que pagando bônus anuais (fator extrínseco) será suficiente para motivá-los, acredite: você está errado. Isso pode funcionar por 1 ou 2 anos, mas no longo prazo esta técnica para de surtir efeito.

Dentre os motivadores intrínsecos (os mais importantes) temos:

1. Autonomia (“Eu controlo”)

Quanto maior for o senso de autonomia, mais motivado o colaborador será. A micro-gestão de tarefas por parte de líderes, pode ser extremamente contra-producente. É importante que os funcionários tenham sentido de autonomia (e sejam responsáveis por esta autonomia) dentro da sua empresa.

2. Maestria (“Eu melhoro”)

Melhorar em alguma tarefa ou característica é extremamente motivador para o ser humano. Aposto que você se recorda quando tentava fazer alguma manobra em algum esporte quando criança e, de repente, após muito treino você se tornou bom naquilo. Essa sensação traz motivação verdadeira para continuar a melhorar.

3. Propósito (“Eu faço a diferença”)

Todos os funcionários precisam sentir que, verdadeiramente, fazem a diferença na organização. Se você faz uma tarefa que não serve para nada (ou pelo menos é percebida assim), rapidamente você se tornará desmotivado.

4. Progresso (“Eu atinjo metas”)

Como no video-game, as pessoas precisam perceber que estão “passando de fase”. Não basta você achar que seu funcionário está melhorando. É preciso que ele tenha claramente essa percepção de progresso e, mais ainda, que este progresso seja o mais transparente possível dentro da empresa para que outros também vejam.

5. Interação Social (“Eu me conecto com outros”)

Ser humano é um animal social. É preciso dar transparência para as ações para que você promova dentro da sua empresa a troca de reconhecimento, publicidade para progressos e para que, em última instância, as pessoas se conectem.

Como aplicar para seus colaboradores?

A esta altura do artigo, você já deve estar imaginando e pensando em ideias para implantar em sua empresa. Existem algumas políticas e até hábitos que podem ativar alguns motivadores intrínsecos como apresentamos acima. Veja algumas ideias abaixo:

1. Definir claramente uma meta individual – Ativa: Maestria, Propósito e Progresso.

Deixe bastante claro (e escrito) quais são as metas de cada um dos colaboradores. Descreva também o que é preciso para atingir esta meta e também o por que ela é importante para a empresa. Neste exercício de determinar e escrever as metas individuais você pode perceber o quanto algumas metas não são realmente necessárias para o todo. Elimine estas e mantenha apenas as que interessam.

2. Crie uma hierarquia de status na empresa – Ativa: Progresso, Interação social.

Cargos são naturalmente uma ferramenta utilizada para “nivelar” seus colaboradores. Muitas pequenas empresas se gabam de “não ter cargos”, porém, o que isso acarreta é que os colaboradores ficam sem noção de qual a sua posição perante o todo. Desenvolva um bom plano de cargos e salários e deixe com que os cargos funcionem como se fossem fases em um vídeo game. Não se esqueça que para passar de fase no jogo, é preciso derrotar um chefão. Na sua empresa, para passar de fase (cargo) descreva muito bem o que é o “chefão” (normalmente, um conhecimento específico ou uma responsabilidade a mais).

3. Sistema de medição de progresso. Ativa: Progresso, Maestria.

Não assuma que cada indivíduo vai ter seu próprio senso de progresso. Ao invés disso, crie um cenário que permita você e os outros líderes da empresa mostrarem claramente o progresso de cada membro do time em relação a uma meta. Este progresso servirá para balizar se o funcionário está indo bem ou mal e de imediato vai motivá-lo a obter cada vez mais conquistas. Uma boa avaliação de desempenho deveria cumprir este papel.

Onde aprender mais?

Se você se interessou pelo assunto, recomendo a leitura do livro Loyalty 3.0 de Rajat Paharia, grande referência no assunto de Gamification.

Conclusão

Engajar colaboradores é essencial, porém não é uma tarefa automática, fácil. É preciso pensar e desenvolver estratégias para se chegar lá. A teoria de gamification pode ser um ótimo guia para você promover e ampliar um determinado que você quer dentro da sua empresa. Não se esqueça que no final do dia estamos falando de pessoas. E pessoas engajadas geram um ciclo virtuoso dentro da sua empresa: quanto mais pessoas motivadas e engajadas, mais elas influenciarão outras, que tornará o ambiente melhor, que tornará cada vez mais fácil de trazer mais gente motivada.

E você? O que faz na sua empresa que pode servir de exemplo para outros?

Convenia Clube de Vantagens

Sobre o autor

Marcelo Furtado

Co-fundador e CEO do Convenia.