Admissão e desligamento de colaboradores; controle de férias; gestão de benefícios corporativos; cálculo de folha de pagamento. Todas essas atividades estão na alçada da gestão de pessoas. E eficiência máxima na execução delas dificilmente é encarada com prioridade em empresas de quaisquer portes, sendo negligenciada em favor de atividades de mais prestígio nas organizações — como Marketing, Vendas e Finanças.

Mas aos poucos a visão de que pessoas (e, portanto, a administração delas) são o ativo mais precioso na coluna de ativos empresarial se torna cada vez mais popular. O que não significa que ter organização na gestão de pessoas ainda não seja um desafio em pequenas e médias empresas.

Antes de mergulhar mais a fundo no assunto, vale salientar que ter uma gestão de pessoal bem orquestrada é fundamental não somente para PME’s, mas para empresas de qualquer porte, até mesmo multinacionais.

A questão é que o ônus gerado por problemas na área pode ser um baque bem violento para os pequenos negócios que estão buscando crescer. Um baque que costuma ser silencioso: poucos gestores e donos de negócios têm uma dimensão precisa do quanto poderiam deixar de gastar ou economizar se tivessem organização máxima nesse domínio.

Os riscos de uma gestão de pessoas mal orquestrada

Como já adiantamos, problemas na gestão de pessoas acarretam passivos financeiros e trabalhistas para as empresas, que variam de multas e dispêndios extras com, por exemplo, erros no momento de permitir ao trabalhador gozar de seus direitos; ou imagem corporativa manchada na opinião pública por conta de alguma questão mal conduzida com funcionários.

É comum que a empresa corra atrás de uma solução para gerir as atividades de pessoal só após perceber as consequências de erros assim — algo que às vezes só acontece quando uma volume significativo de tempo e dinheiro já foi desperdiçado.

Com tudo isso em vista, fica nítido o quão importante é ter uma gestão de pessoas organizada, segura e eficiente.

PME’s que fazem uma gestão de pessoas com organização

Existem, entretanto, algumas PME’s que surfam contra a maré e já apresentam preocupação saudável com a organização de sua gestão de pessoas. Um dos grandes exemplos brasileiros que temos  é a Dress & Go, empresa pioneira no Brasil em aluguel online de vestidos para festas que decidiu usar tecnologia para mudar seu RH de patamar e torná-lo um propulsor de crescimento do negócio.

Hoje, a Dress & Go não é referência apenas em seu segmento: ela também se notabiliza pela forma como o RH organiza todas as informações de seus funcionários e como utiliza essa força para ter uma atuação estratégica — algo que todo departamento de Recursos Humanos deveria buscar se quiser ser prestigiado dentro do ambiente organizacional, pois é assim que ele se transforma em uma área-chave para os resultados corporativos.

Esse infográfico ilustra algumas da transformações pelas quais passou o RH da Dress & Go com o apoio do Convenia para fazer a gestão e controle das suas atividades de Departamento Pessoal:

tabela_case

Para explicar melhor exatamente como foi o processo de transformação do RH da Dress & Go em referência na organização da gestão de pessoas, nós preparamos um estudo de caso detalhado. Você pode baixá-lo gratuitamente clicando aqui embaixo:

banner_post_case_dres_go

Sobre o autor

Luca Venturini

Analista de Marketing do Convenia.

Formado em Administração de Empresas, encontrou no Inbound uma oportunidade de unir duas de suas paixões: marketing e escrever.