Muito se fala sobre motivação e engajamento no mundo corporativo.

As empresas, agindo sob a premissa (correta) de que um colaborador feliz no trabalho é um colaborador produtivo, se movimentam para criar políticas que fomentem a satisfação dos funcionários. Afinal, ninguém quer perder talentos pro concorrente só porque um salário maior foi oferecido.

O problema é que o RH dessas mesmas empresas se sente perdido no momento de escolher os benefícios que vão catapultar a satisfação dos funcionários no trabalho. Não sabem quais os benefícios que mais motivam ou quais benefícios apresentam a melhor relação custo/beneficio.

Por esse motivo, nós da Convenia vamos listar os cincos melhores benefícios não óbvios para você oferecer aos funcionários da empresa e, em última instância, torná-los mais produtivos.

 

Benefício 1: aulas de Educação Financeira para os colaboradores

 

A empresa que não oferece internamente algum tipo de incentivo educacional aos colaboradores perde uma oportunidade preciosa de elevar o engajamento no ambiente de trabalho.

Não apenas porque aulas, cursos e seminários tendem a estimular a motivação, mas também porque essas diferentes formas de ensino ajudam a afiar o intelecto dos colaboradores. Como consequência, os profissionais podem desempenhar melhor algumas tarefas do dia-a-dia que dependem de raciocínio lógico, linguagem e conhecimentos gerais.

“E por que Educação Financeira?”, você deve estar se perguntando.

É consenso que aqui no Brasil nós não somos municiados com a Educação Financeira necessária à nossa segurança na vida adulta — seja na escola, na faculdade (excluindo aqueles que fizeram algum curso na área, obviamente) ou em nosso cotidiano. Porém, trata-se de um assunto importante na vida de qualquer profissional, não importando sua área de atuação.

A BambooHR, uma empresa americana de tecnologia para RH, incentiva e paga para todos os seus funcionários participarem de aulas de finanças pessoais na Financial Peace University. Essa prática fez com que os colaboradores economizassem um total de U$ 200 mil e ficassem mais seguros em relação à sua condição financeira, de modo que pudessem ser mais produtivos no trabalho (considerando ainda que o americano médio tem uma educação financeira superior à do brasileiro).

 

Benefício 2: trabalho flexível

 

De acordo com uma pesquisa conduzida pela TechnologyAdvice que buscava correlacionar benefícios corporativos com retenção de talentos, o benefício mais valorizado, com 31,8% das respostas, é ter agenda de trabalho flexível ou possibilidade de fazer home office. E várias pesquisas apontam uma correlação positiva de políticas de trabalho remoto com aumento na motivação e na produtividade dos funcionários.

No final das contas, o prestígio que a possibilidade de trabalhar em casa exerce sobre os profissionais reflete o que eles mais valorizam: o tempo. Eles querem equilibrar ao máximo sua vida profissional e sua vida pessoal, e enxergam o trabalho flexível como uma forma de posicionar a gangorra no centro — ou o mais próxima possível dessa posição.

trabalho flexível

Não à toa tantas empresas se preocupam hoje em dia com o bem-estar holístico — também conhecido como wellness — dos profissionais. A agência de pesquisa de tendências de comportamento Box 1824 até elaborou estudo de caso no qual aborda essa preocupação com o equilíbrio entre vida particular e vida profissional, que eles batizaram de All Work and All Play. Para conferir o vídeo-resumo desse estudo de caso, basta clicar aqui.

 

Benefício 3: vantagens em academias

 

Segundo a mesma pesquisa mencionada no item anterior, o benefício mais valorizado depois do trabalho flexível é o incentivo financeiro para os colaboradores fazerem academia. O cuidado com o corpo e a valorização de um estilo de vida saudável têm tudo a ver com o conceito de wellness: o profissional de hoje não enxerga com bons olhos abrir mão de exercícios físicos para ficar mais horas no escritório.

Na esteira do cuidado crescente com a saúde, hoje em dia existem muitos negócios com planos e convênios que dão acesso a academias em diversas localizações. Se sua empresa oferecer esse tipo de vantagem, os colaboradores vão responder positivamente.

Há ainda um bônus nessa história. A atividade física, além de satisfazer os funcionários, melhora o nosso desempenho intelectual: uma pesquisa publicada na American College Sports Medicine verificou que a prática de trinta minutos de atividade física em um dia de trabalho eleva em 15% a produtividade do colaborador. Ademais, 60% dos participantes do estudo reportaram maior autoconfiança intelectual e maior segurança para entregar tarefas no prazo depois de praticar exercícios físicos.

 

Benefício 4: convênio com estabelecimentos próximos da empresa

 

Poucas vantagens satisfazem mais os funcionários do que ter descontos em lojas, restaurantes, academias, escolas e outros estabelecimentos comerciais que ficam geograficamente próximos ao escritório.

Descontos são motivadores. Descontos que podem ser usufruídos perto do trabalho, mais ainda.

A rotina do colaborador se torna mais fácil com a comodidade e praticidade de realizar atividades nas adjacências – para não citar o ganho financeiro que se tem com ofertas de 10%, 20% ou 30% de desconto.

O Convenia, por exemplo, tem um clube de benefícios com descontos em uma série de estabelecimentos comerciais. Para saber mais detalhes e conhecer algumas empresas parceiras, clique aqui.

 

Benefício 5: uma sexta-feira de folga por mês

 

Uma prática comum em empresas americanas é liberar os funcionários de sexta-feira a partir das 14:00. Estatísticas mostram que a maioria dos colaboradores ficam ansiosos com a iminente chegada do final de semana conforme a sexta-feira se arrasta, então não conseguem produzir no mesmo nível depois do almoço. Algumas empresas, com isso em mente, perceberam que o nível de produtividade dos funcionários às vésperas do final de semana não compensa os gastos com água, luz e outros decorrentes de manter as pessoas no escritório.

Caso essa medida esteja além da sua capacidade no momento, uma opção interessante é oferecer uma sexta-feira de folga no mês (mas não uma folga coletiva). Para evitar que o benefício se torne um ônus, estipule que cada área da empresa terá uma planilha na qual seus integrantes selecionarão em qual sexta-feira do mês desejam não trabalhar. Desse modo, o gestor do departamento avalia os dias escolhidos, distribui os colaboradores por data e não fica desguarnecido.

 

Um cuidado a tomar

 

As pesquisas nas quais nossas sugestões de benefícios são baseadas proporcionam uma visão geral sobre as preferências dos colaboradores. Mesmo assim, elas não são totalmente precisas para todos os grupos de funcionários.

Como já falamos aqui, cada organização atrai perfis diferentes de pessoas. E cada perfil tende a preferir alguns tipos específicos de benefícios. Portanto, a melhor medida é pesquisar as preferências dos seus colaboradores para montar um pacote de benefícios ideal a eles.

 

Convenia - Consultor de Benefícios

 

 

Sobre o autor

Luca Venturini

Analista de Marketing do Convenia.

Formado em Administração de Empresas, encontrou no Inbound uma oportunidade de unir duas de suas paixões: marketing e escrever.