As férias representam um período de descanso em que o funcionário tem o direito de retirar um pouco do estresse físico e mental causado pelo trabalho. Porém, muitas vezes o estresse pode ficar do lado do empregador, caso ele não tome cuidados básicos na gestão deste benefício. Por este motivo, este artigo visa trazer os principais riscos de não controlar as férias de funcionários. 

É obrigação do empregador ter de maneira clara e organizada quando cada um de seus funcionários deverá gozar deste benefício. Este rígido controle é necessário para manter sua empresa em conformidade com a legislação brasileira, mas também é importante para que você mantenha sua equipe motivada e eficiente. Confira a baixo algumas situações que podem prejudicar a sua empresa:

1. Perda de motivação

O funcionário pode ter sua saúde física e mental prejudicada, o que acaba afetando o seu resultado no trabalho. A perda da motivação é um dos principais fatores que levam a diminuição da produtividade.

2. Estresse

O estresse no ambiente de trabalho afeta não só o funcionário estressado, mas também todos aqueles que possuem algum tipo de relacionamento com ele. As trocas de informações entre as pessoas são prejudicadas e o bom andamento das atividades da organização também é prejudicado. Em um nível agravado de estresse, o colaborador pode inclusive ter que solicitar licença remunerada, caso venha a atrapalhar a sua saúde. Não deixe a situação chegar neste ponto pois além de impacto financeiro o clima organizacional também ficará muito ruim.

3. Pagar Férias Dobradas

Talvez este seja o item mais reconhecido como risco em não controlar as férias do funcionário. Caso você não o oriente a gozar suas férias antes do término do período concessivo (caso não saiba o que é isso, veja neste artigo), a empresa precisará pagar o valor devido de férias dobrado. Lembre-se também que não adianta avisar o colaborador faltando uma semana para o fim do período concessivo. É preciso avisá-lo com, no mínimo, 30 dias do início do período de usufruto das férias.

Gestão e cálculo de férias com abono pecuniário

Sobre o autor

Marcelo Furtado

Cofundador do Convenia, empresa de tecnologia para a área de recursos humanos de pequenas e médias empresas. É responsável pela criação e execução da estratégia de inbound marketing da empresa que já atraiu mais de 15.000 leads. Formado em Administração de Empresas, com pós-graduação em Engenharia Financeira pela Poli-USP, Marcelo iniciou sua carreira na área de vendas da Pepsico. Logo em seguida iniciou uma trajetória em gestão de Hedge Funds internacionais, tendo trabalhado na Carval Investors e Financial Investimentos. Marcelo também é professor de Inbound Marketing na ESPM.