Conheça os principais fatores que contribuem para a perda de tempo no trabalho, e saiba que geração é a mais fora de foco nesse aspecto

Perda de tempo no trabalho

A perda de tempo no trabalho é algo bastante comum, sendo poucos os funcionários que dedicam todo o período que passam nas suas empresas a tarefas relacionadas, de fato, com o serviço que foram contratados para prestar. Independente da posição que assume dentro de uma corporação, um profissional que perde muito tempo com amenidades no local de trabalho pode ser responsável por uma baixa significativa na produtividade de uma empresa, tornando-se quase um “incentivador” da distração de outros colaboradores.

Levando estes fatos em consideração, pesquisas foram realizadas para descobrir as principais causas da perda de tempo no trabalho, e seus resultados destacam as redes sociais como um dos fatores que mais podem influenciar na baixa produtividade de funcionários – informação que não chega como surpresa, tendo em mente que mais de 100 horas de vídeos são adicionados ao YouTube por minuto, e cerca de 350 milhões de fotos são compartilhados por mais de 1 bilhão de usuários do Facebook todos os dias.

Ainda de acordo com as informações coletadas, a geração Millennials é a que mais gasta tempo em vão no ambiente de trabalho, chegando a perder duas horas diárias de serviço em função, principalmente, do acesso demasiado à tecnologia. Segundo as entrevistas realizadas com os colaboradores dessa geração, 53% deles preferiria abrir mão do próprio olfato do que de seus meios de conexão.

A geração X – que engloba os funcionários nascidos entre 1965 e 1981 – perde uma média de 1,6 horas de trabalho por dia, sendo os Baby Boomers os considerados menos fora de foco no trabalho, gastando apenas cerca de 46 minutos de seus dias de serviço com questões não relacionadas a suas tarefas.

Entre as causas que mais influenciam nessa perda de tempo, podem ser citadas: a falta de desafios no ambiente empresarial, horas-extras constantes, falta de motivação, insatisfação com o próprio cargo, baixos salários e até o puro tédio. Além da tecnologia, a pornografia também segue como fator de influência para o gasto em vão de horas de trabalho, e cerca de 25% dos funcionários entrevistados admitiram entrar em sites de conteúdo pornográfico no computador do trabalho com certa frequência.

Imagem: reprodução

Sobre o autor

Equipe Convenia

Deixe um comentário