Dentre todas as profissões que existem em nossa sociedade, algumas atividades laborais geram riscos à saúde e segurança do trabalhador. Para serviços assim, a legislação trabalhista prevê o pagamento de um acréscimo ao salário: o adicional de insalubridade.

Você pode baixar gratuitamente a nossa planilha de Controle de Ponto e Horas Extras

Esse é um dos temas que mais geram dúvidas em relação a remuneração. Os profissionais responsáveis por elaborar folhas de pagamento devem estar atentos a esse e outros proventos, como o adicional noturno e o adicional de periculosidade.

Para entender melhor o que é insalubridade, quem tem direito ao adicional e como calcular, leia este artigo até o fim!

O que é o adicional de insalubridade?

O adicional de insalubridade é uma compensação prevista em nossa legislação trabalhista concedida a trabalhadores que exercem atividades laborais que os expõem a agentes nocivos à saúde. Esse benefício está previsto nos artigos 189 a 197 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Os riscos passíveis de gerar o benefício e os valores do adicional são definidos pela Norma Regulamentadora 15 (NR-15).

O que é um trabalho insalubre?

Agora que já sabemos que um empregado deve receber o adicional quando está exposto a agentes nocivos, vamos passar por alguns exemplos desses agentes.

São considerados nocivos para a saúde: ruídos excessivos, radiação, temperaturas extremas e agentes químicos. Radiologistas, operadores de equipamentos de petróleo, gás e mineração são algumas das profissões insalubres.

A NR-15 define que tem o direito de receber adicional de insalubridade o trabalhador que exerce atividades envolvendo os seguintes riscos:

  • ruído contínuo ou intermitente;
  • ruído de impacto;
  • temperaturas extremas (calor e frio);
  • radiações ionizantes e não ionizantes;
  • condições hiperbáricas;
  • vibrações;
  • umidade;
  • agentes químicos;
  • poeiras minerais;
  • agentes biológicos.

A NR-15 conta com 13 anexos que discorrem sobre cada tipo de risco. Vale consultar para saber metodologias de análise e aferição e limites de tolerância.

Como é comprovada a existência de insalubridade?

Para afirmar que a exposição a agentes nocivos ocorre na rotina de trabalho, é necessária a realização de perícia médica na empresa para identificação do risco. A vistoria deve ser realizada por um médico ou engenheiro do trabalho registrado no Ministério do Trabalho (MT).

É essa perícia que garante um laudo pericial que junto ao MT a responsável por definir o grau de insalubridade e estabelecer o pagamento do adicional aos funcionários de uma empresa.

Como é calculado o adicional?

A NR-15 define que existem 3 graus de insalubridade e que cada nível dá direito a um percentual de compensação diferente. Para atividades insalubres em grau mínimo, o trabalhador tem direito ao adicional de 10%; em grau médio a 20%; e em grau máximo tem direito ao adicional de 40%.

O artigo 192 da CLT determina que cálculo do adicional de insalubridade é feito com base no salário-mínimo de cada região — ou seja,  ele não é relacionado ao salário do trabalhador. Porém, o adicional pode ser calculado sobre o piso da categoria em casos determinados por convenção coletiva.

Veja esse exemplo de como fazer o cálculo do adicional para um trabalhador do Estado de São Paulo que exerce atividade insalubre em grau médio:

Salário-mínimo da região: R$ 1076,20 (salário-mínimo paulista no ano de 2017)

Adicional: 20% (grau médio de insalubridade)

O adicional terá o valor de: R$ 1076,20 x 0,2 (20%) = R$ 215,24

Vale destacar que se um trabalhador exerce sua atividade exposto a mais de um grau de insalubridade, a NR-15 estabelece que se considere apenas o de grau mais elevado para acréscimo salarial.

Ainda, o valor do adicional pode ser reduzido ou suspenso se as condições nocivas à saúde diminuírem ou forem eliminadas com a realização de reformas ou uso de equipamentos de proteção individual (EPI), por exemplo.

Quais as diferenças para o adicional de periculosidade?

Muitas pessoas não sabem a diferença entre o adicional de insalubridade e o adicional de periculosidade. O conceito da periculosidade se difere no fato de o trabalhador não ficar exposto diretamente ao agente nocivo, mas correr riscos de vida em seu exercício. Alguns exemplos são de pessoas que trabalham com inflamáveis, explosivos, rede elétrica, entre outros.

Para ser classificado como trabalho periculoso, a condição de trabalho precisa estar presente na lista da Norma Regulamentadora 16 (NR-16), do Ministério do Trabalho.

Outra diferença entre ambos é que o adicional de periculosidade não é calculado com base no salário-mínimo regional, e sim, no salário do empregado. O adicional é de 30% sobre o salário-base, podendo superar essa porcentagem caso a convenção coletiva da categoria determine.

Para ilustrar o cálculo, vejamos o exemplo de um trabalhador que exerce atividade periculosa e tem salário-base de R$ 2000,00. O cálculo deve ser feito da seguinte maneira:

Salário-base x porcentagem adicional de periculosidade

R$ 2000 x 0,3 (30%) = R$ 600

Observe que de acordo com a súmula nº 364 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o empregado tem direito ao adicional de periculosidade quando exposto de forma permanente ou regular às condições de risco. O trabalhador não tem direito de receber o benefício se o contato ocorrer por tempo extremamente reduzido ou eventualmente.

Os adicionais podem ser cumulativos?

Não, a lei permite o pagamento de somente um desses dois benefícios. Se um empregado está em contato com condições de trabalho descritas tanto na NR-15 quanto na NR-16, ou seja, insalubre e perigoso, ele tem que escolher qual adicional quer receber.

Por fim, lembre-se de que a insalubridade e a periculosidade colocam o trabalhador em condições de risco. É muito importante saber lidar com essas situações.

Garantir a utilização de EPIs, oferecer cursos e treinamentos pode contribuir para um ambiente mais seguro e que preserve a saúde dos trabalhadores, gerando qualidade de vida no trabalho e podendo até mesmo refletir em melhora no desempenho geral.

Saber se a sua empresa se enquadra em algum nível de insalubridade é muito importante tanto para poder atuar na promoção de um ambiente mais seguro quanto para evitar um eventual processo trabalhista.

Aproveite as informações deste artigo para verificar se você tem feito o pagamento do adicional de insalubridade da maneira correta para seus empregados.

Se você gostou deste artigo sobre adicional de insalubridade, siga as nossas páginas nas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, Twitter e LinkedIn!

Sobre o autor

Equipe Convenia

Deixe um comentário