Como calcular férias em dobro?

Tempo de leitura: 3 minutos

Quer calcular as férias dos funcionários de forma rápida e simples? Ou então perdeu o período de férias e não sabe o que fazer? Não tem problema, temos um material prático totalmente GRATUITO para te ajudar. Clique aqui e faça o dowload!

Em algumas situações de negligência da empresa em relação à gestão de férias dos seus funcionários, a legislação prevê o pagamento dobrado. Mas, como calcular férias em dobro?

Além de saber que tipo de situação ocasiona o pagamento. O responsável por esse controle na empresa também deve saber como calcular férias em dobro.

Pensando nisso, elaboramos um guia simples e prático. Com ele, os empreendedores não terão surpresas na hora de cumprir com todos os direitos referentes ao período de férias de um funcionário. Desse modo, será possível evitar a exigência do pagamento das férias em dobro. Acompanhe!

Entenda a diferença entre período aquisitivo e período concessivo de férias

O primeiro passo é entender o conceito de período aquisitivo e período concessivo de férias. A seguir, vamos te explicar esses conceitos .Mas existem soluções, como o Convenia, que além de fazer o cálculo de férias, te ajudam na gestão de férias dos seus funcionários. Fale com os nossos consultores e saiba mais! 

 

 

Os primeiros doze meses de um funcionário na empresa são o seu período aquisitivo de férias. Isto é, o período em que ele ainda não pode usufruir de férias, mas que está ganhando esse direito. Findado esse período de doze meses, o colaborador entra em seu período concessivo. Ou seja, os doze meses após o período concessivo dentro dos quais ele pode gozar de suas férias.

Se a empresa falhar ao conceder as férias devidas ao colaborador dentro do seu período concessivo, ela fica obrigada, por força da lei, a pagar férias em dobro a ele.

Vale citar que, embora o empregado tenha direito ao pagamento monetário dobrados das férias, ele não tem direito a um período maior de descanso em função de atrasos nos pagamentos. No entanto, o adicional de 1/3 referente ao período também deve ser dobrado nesse pagamento.

Como calcular férias em dobro? 

Como contabilizar férias em dobro? O exemplo a seguir esclarece a forma correta de definir o valor do pagamento das férias em dobro, considerando 12 meses de atuação do empregado na empresa:

Valor bruto das férias = Salário bruto x Adicional de 1/3 do salário

Valor das férias líquidas = Valor bruto das férias – Deduções de INSS* e IRRF*
(*A porcentagem da dedução varia de acordo com o valor bruto do salário)

Valor das férias em dobro = 2 x Valor das férias líquidas

Como calcular férias vencidas em dobro na rescisão?

A contagem de férias em dobro deve ser realizada a partir da data que o colaborador foi admitido. Ou seja, se o colaborador recebia um salário igual a R$ 4.000,00 foi admitido no dia 01/03/2017 e seu contrato foi rescindido no dia 03/07/2019. Mas não gozou das férias que adquiriu em 2018 e também ainda não havia usufruído das férias que adquiriu em 2019. Pela CLT, o empregador deve pagar férias vencidas em dobro a esse profissional.  Lembrando que também inclui o adicional de 1/3.

Exemplo de como calcular férias em dobro:

Fazemos R$ 4.000,00 + 1/3 de R$ 4.000,00 = R$ 5.333,33 e depois multiplicamos esse valor por 2, obtendo R$ 10.666,66 de férias indenizadas em dobro.

Agora, basta seguir as orientações para realizar os cálculos de forma correta. Caso queira facilitar ainda mais os cálculos, baixe a planilhe aqui. Se gostou do post, não deixe de assinar nossa newsletter para mais conteúdos e novidades!

Gestão e cálculo de férias com abono pecuniário


Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.