Demissão em comum acordo: como funciona? Regras da CLT

Demissão em comum acordo: como funciona? Regras da CLT

Demissão em comum acordo: como funciona? Regras da CLT

Demissão em comum acordo ocorre quando a empresa e o colaborador definem, em consenso, o fim do contrato de trabalho. Antes, a demissão em comum acordo era realizado de forma ilegal, sem regulamentação: o funcionário devolvia para a empresa a multa de 40%. Mas, com as novas regras da CLT isso não é mais possível.

A Reforma Trabalhista de 2017 alterou diversas normas na relação entre empresas e funcionários. De modo geral, a medida serviu para flexibilizar as negociações, regulamentando práticas que já eram comuns no mundo corporativo. Uma delas é a demissão consensual, que agora deve seguir regras específicas para acontecer.

Quer entender os detalhes de cada tipo de demissão? Baixe o material GRATUITO e evite erros no processo!

Por se tratar de uma mudança importante na lei trabalhista brasileira, todo profissional de RH deve estar por dentro do assunto, a fim de evitar problemas com a Justiça do Trabalho. Pensando nisso, explicamos neste artigo tudo o que há de mais importante sobre o tema. Quer saber mais? Confira a seguir!

O que é a demissão em comum acordo?

A demissão em comum acordo ocorre quando a empresa e o colaborador definem, em consenso, o fim do contrato de trabalho. A prática já existe há muito tempo nas empresas brasileiras — você provavelmente já ouviu falar em alguém que “fez acordo para ser demitido”.

A diferença é que agora existem normas que devem ser seguidas nesse tipo de decisão.

Como funciona o acordo de demissão?

Antes da Reforma, havia três tipos de desligamento previstos em lei:

  • Pedido de demissão: ocorre por iniciativa do funcionário, que recebe integralmente as verbas rescisórias (férias, décimo terceiro e aviso prévio), sem direito a multa, movimentação do FGTS e seguro-desemprego;
  • Dispensa sem justa causa: ocorre por iniciativa da empresa. Além das verbas rescisórias, o empregado tem direito a uma multa de 40% sobre o valor total do FGTS e ao saque integral do benefício. Além disso, pode receber seguro-desemprego, caso tenha trabalhado 12 dos últimos 18 meses.
  • Dispensa com justa causa: também ocorre por iniciativa da empresa, mas o funcionário recebe apenas o saldo do último salário e o pagamento das férias vencidas (se existirem). Não há direito a verbas rescisórias integrais, multa/saque do FGTS ou seguro-desemprego.

Com a nova lei, esses três formatos ganharam a companhia da demissão consensual. Na prática, ela ocorre quando o funcionário faz o pedido demissão, mas precisa do dinheiro do FGTS. 

Antes, o acordo era feito de forma ilegal, sem regulamentação: o funcionário pedia para ser demitido e devolvia para a empresa a multa de 40%.

O que diz a lei sobre a demissão em comum acordo?

A Reforma Trabalhista acrescentou o artigo 484-A na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Essa nova regra oficializou a rescisão contratual de comum acordo e determinou o pagamento das seguintes verbas trabalhistas:

  • Aviso prévio 50% (se indenizado);
  • Saque de 80% do saldo do FGTS;
  • Multa de 20% calculada sobre até o limite de 80% do saldo do Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço (FGTS);
  • Salários atrasados, se aplicado;
  • Décimo terceiro salário proporcional;
  • Férias vencidas com um acréscimo de um terço constitucional;
  • Férias proporcionais acrescidas do um terço constitucional;
  • Saldo de salário vindo dos dias trabalhados antes da data do desligamento.

Um detalhe importante apontado no § 1º do artigo 484-A é o não direito do colaborador ao seguro-desemprego.

De que forma é feita a negociação entre as partes?

Caso o pedido de demissão de comum acordo venha da empresa, é importante que o colaborador se sinta respeitado e receba todos os seus direitos legais. Outra prática essencial é a clareza das informações vinda de um diálogo aberto e um documento por escrito bem elaborado.

Ao fazer esse tipo de desligamento, tenha tudo muito bem documentado. Quanto a esse último aspecto, a legislação trabalhista não estabelece regras para a redação de um documento oficial sobre a demissão de comum acordo. 

O ideal é que contenha os valores a serem pagos na rescisão e outras informações que revelem o consenso entre as partes, bem como as bases legais dos acordos.

A demissão consensual só funciona quando há comum acordo entre funcionário e empresa em relação ao fim do contrário. Muitos críticos afirmam que a medida pode fazer com que trabalhadores sejam coagidos a aceitar uma demissão sob essas regras, já que elas favorecem o patrão financeiramente.

No entanto, há proteção jurídica ao empregado para casos assim. Se o empregador tentar obrigar o colaborador a aceitar a demissão consensual, ele pode ir à Justiça reivindicar os seus direitos.

A empresa precisa se proteger de ações de má fé por parte de ex-funcionários. Para isso, é primordial ter testemunhas na sala quando o acordo for assinado. Evite convocar pessoas em cargos de confiança ou superiores diretos do empregado para esse fim. Quanto mais neutra for a testemunha, melhor para todas as partes.

Casos especiais

Por fim, fique atento a casos especiais. Por exemplo: profissionais em condições de estabilidade, como mulheres recém-saídas da licença-maternidade ou membros da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).

Esses devem receber a indenização prevista em lei mesmo se a demissão for em comum acordo com a organização. Em contratos suspensos de funcionários no INSS, não é possível efetuar a rescisão. Além disso, a CLT proíbe a redução dos seguintes direitos durante a negociação da demissão:

  • FGTS;
  • Salário mínimo;
  • Décimo terceiro;
  • Hora extra;
  • Salário família;
  • Férias;
  • Aviso prévio;
  • Aposentadoria;
  • Direito à greve e liberdade sindical;
  • Repouso semanal remunerado.

Esses cuidados são essenciais para proteger a organização e o colaborador contra eventuais ações trabalhistas. Vale ressaltar que, em especial a empresa, precisa seguir de perto as regras da CLT, pois essa legislação tende a favorecer o funcionário em uma causa jurídica. Afinal, diante da lei, o trabalhador é a parte mais vulnerável.


Como fazer a demissão em comum acordo com os colaboradores?

Além de elaborar o documento da rescisão trabalhista e pagar os direitos do colaborador, o RH pode agir com empatia, tornando o processo de desligamento o menos doloroso possível. Entre as estratégias que podem ajudar nisso, podemos citar:

  • Planejamento da reunião do desligamento: definição da data, horário, profissional que conduzirá a conversa e do envio da notificação ao colaborador;
  • Criação de um ambiente favorável: embora não seja algo agradável, o funcionário precisa se sentir respeitado e valorizado;
  • Oferecimento de feedbacks: o RH pode mostrar para o colaborador como foi seu desempenho na empresa. Além disso, apontar quais habilidades e competências o ajudarão na conquista de um novo emprego;
  • Apoio emocional e profissional: algumas empresas disponibilizam coaches ou psicólogos para ajudar os que estão saindo da empresa.

Quais são os benefícios da demissão consensual?

Quando ambas as partes desejam que o desligamento ocorra, a demissão consensual é uma alternativa muito vantajosa. Confira a seguir os principais benefícios da prática para empresas e empregados.

Vantagens para o empregador

Um dos maiores benefícios para a empresa é a redução de custos no desligamento do funcionário.

Outro ponto positivo é negociar com o colaborador dentro da lei, sem correr o risco de caracterizar fraude. Além disso, a empresa ganha proteção jurídica no acordo. Antes, com o acordo verbal pela devolução dos 40% de multa, havia o risco de o funcionário não cumprir o combinado e deixar o empregador no prejuízo. Hoje, como tudo segue normas muito claras, não há chance de isso acontecer.

Há, ainda, um ganho operacional nesse tipo de acordo. Muitas vezes, o profissional quer sair da empresa, mas não o faz para não perder a chance de resgatar o FGTS. Isso gera desmotivação e queda da produtividade, o que afeta negativamente os resultados do negócio.

Em casos assim, é muito mais estratégico entrar em acordo com o funcionário insatisfeito e substituí-lo por um novo colaborador, que certamente chegará muito mais disposto a fazer a empresa crescer.

Por fim, um processo de demissão em comum acordo bem conduzido, melhora a reputação da empresa no mundo corporativo. Uma vez que, os ex-colaboradores farão boas recomendações sobre a maneira como a organização lida com um dos processos mais delicados do RH: o desligamento de profissionais.

Vantagens para o empregado

Muitos funcionários desejam sair do lugar onde trabalham por diversos motivos: encarar um desafio em outra empresa, abrir o próprio negócio, dedicar-se a projetos pessoais ou até mesmo sair em um período sabático. Quando isso acontece, é muito mais vantajoso propor uma demissão consensual do que esperar uma dispensa sem justa causa (que talvez nunca aconteça).

Assim, mesmo que as verbas rescisórias sejam menores, é possível encerrar o ciclo com uma boa segurança financeira. Além disso, o acordo é feito dentro da lei, com proteção jurídica e sem risco de problemas futuros.

Agora que você já conhece as regras da demissão consensual, ficou mais fácil aplicar a prática na sua empresa! Basta verificar se a medida é interessante para ambos os lados, documentar a negociação e assinar o acordo. Como vimos ao longo do post, há vantagens para a empresa e para o empregado. Ou seja: se tudo for feito do jeito certo, todos saem ganhando!

Você gostou de entender melhor as regras legais da demissão em comum acordo? Aproveite para aprofundar mais o seu conhecimento! Baixe agora mesmo o e-book: Demissão: Conheça as 4 principais modalidades de rescisão.

  New call-to-action

Marcelo Furtado

Marcelo Furtado é administrador de empresas com pós-graduação em engenharia financeira pela Poli-USP. Iniciou sua carreira na Pepsico e posteriormente trabalhou 8 anos com gestão de ativos em hedge funds. É cofundador da Convenia, primeiro software na nuvem de gestão de departamento pessoal voltado para pequenas e médias empresas no Brasil. Marcelo também atua como professor de Marketing Digital na ESPM-SP e mentor na ACE e Google Campus.

Este post tem 51 comentários

  1. Gustavo Woltmann

    Um Ótimo Artigo muito bem explicado.Parabéns.

  2. WILSON

    A EMPRESA É OBRIGADO A FAZER O ACORDO CONSENSUAL PORQUE EU QUERO SAIR DA EMPRESA OU ELES QUE DECIDEM?

    1. Alan Albuquerque

      Olá Wilson, obrigado pelo seu comentário.

      O artigo 484-A da CLT prevê a “rescisão consensual”, o que indica que é de interesse e vontade recíprocas do empregado e empregador. Logo, é ilegal a imposição ou coação.
      Sendo assim, a empresa não será obrigada a aceitar, como também o colaborador não será obrigado a aceitar proposta de acordo do empregador.

  3. Patricia

    Olá
    Optei pela modalidade saque aniversario FGTS, tenho direito de sacar 80% do saldo da conta?

    1. Alan Albuquerque

      Olá Patrícia, obrigado pelo seu comentário.

      Optando pelo saque aniversário, você tem direito a sacar apenas o valor da multa sobre o saldo do FGTS (se houver). Conforme Lei Nº 8.036, de 11 de maio de 1990. Art. 20-D § 7º Na hipótese de despedida sem justa causa, o trabalhador que optar pela sistemática saque-aniversário também fará jus à movimentação da multa rescisória de que tratam os §§ 1º e 2º do art. 18 desta Lei.(Incluído pela Lei nº 13.932, de 2019).

  4. KATA

    Se um funcionário pede demissão cumprindo aviso e no ultimo dia propõe acordo, pode ser feito?

    1. Alan Albuquerque

      Olá Katia, obrigado pelo seu comentário.

      Neste caso cabe ao RH da empresa analisar. No cenário mencionado, o RH pode já ter realizado todos os procedimentos necessários referentes a cálculos e envio de informações ao e-social. Além disso, essa modalidade deve ser um acordo entre as partes.

  5. adriana

    se o funcionário pede demissão sem acordo ele não tem direito a chave do fgts nem a seguro desemprego né?

    1. Alan Albuquerque

      Olá Adriana, agradecemos o seu comentário.

      Isso mesmo, em caso de pedido de demissão o colaborador não têm direito a movimentação do FGTS e nem ao seguro-desemprego.

  6. Arlei

    Boa noite!
    Acordo mudo pode ser feito no mês de Novembro.

    1. Alan Albuquerque

      Olá Arlei, obrigado pelo seu comentário.

      A demissão em comum acordo pode ser realizada a qualquer momento, desde que negociado entre as partes.

  7. Wagner Alves da Silva

    O empregador ( empresa ) pode se recusar a fazer esse tipo de acordo mesmo sendo uma lei trabalhista ?

    1. Alan Albuquerque

      Olá Wagner, obrigado pelo seu comentário.

      O artigo 484-A da CLT prevê a “rescisão consensual”, o que indica que é de interesse e vontade recíprocas do empregado e empregador. Logo, é ilegal a imposição ou coação.

      Sendo assim, a empresa não será obrigada a aceitar, como também o colaborador não será obrigado a aceitar proposta de acordo do empregador.

  8. JHONATAS DA SILVA TORRES DE AQUINO

    bom dia !

    Tenho uma duvida ! fiz comum acordo com a empresa que eu trabalhava, o valor dos 80% do fgts ele é liberado em cima do valor atual de depósitos ja feito pela empresa, ou é em cima do valor total considerando o valor da multa de 20% ?

    1. Gabriela Seho

      Olá Jhonatas, tudo bem?

      A CLT menciona em seu Art. 484-A § 1º, 80% dos depósitos. Assim, entende-se que a multa também entra na contagem.

  9. Olá. Bom dia? Fiz acordo pra sair defensivamente, mais tenho férias dentro, a empresa adiantou minhas férias, mais n recebi em especi, a minha dúvida é, tenho direito de receber minhas férias?

    1. Gabriela Seho

      Olá Maria Verusca, tudo bem?

      Quando você diz que a empresa adiantou quer dizer que você somente descansou e não recebeu? Precisamos entender melhor a situação para orientar dentro da legislação .

  10. Julio De Oliveira

    Não é só o FGTS q é importante teria que ter direito ao seguro desemprego isso obriga o funcionário a permanecer na empresa por falta do seguro aí que faz coisas erradas julio

    1. Gabriela Seho

      Olá Julio, tudo bem?
      Entendo seu ponto de vista, a rescisão por acordo entre as partes foi criada para ajudar ambas as partes. Veja bem, se você pedisse demissão não teria direito aos valores de FGTS, já com o acordo você consegue receber 80% do valor ali depositado.

  11. Thiago Grijp

    Olá boa noite!!! Este pedido se já proposto pelo empregado, o empregador deve aceitar?

    1. Gabriela Seho

      Olá Thiago, tudo bem?
      O empregado solicita e caso a empresa concorde com a solicitação, as partes dão andamento no processo de desligamento.

  12. Jéssica

    Boa tarde,eu tenho que voltar a trabalhar pós estava de licença maternidade,queria saber se posso pedir um acordo?

    1. Gabriela Seho

      Olá Jéssica,
      O desligamento não é permitido, mesmo tratando-se de acordo consensual. O correto, é aguardar o término da sua estabilidade para solicitar.

Contribua com este post

[PLANILHA GRATUITA]Simulação Cálculo 13º Salário

Simule o valor líquido do décimo terceiro salário (1º e 2º parcela, além dos descontos INSS e IRRF) de vários colaboradores ao mesmo tempo!