Contratação errada: passe longe sabendo o que induz o erro

Tempo de leitura: 5 minutos

Todos os processos de uma organização precisam ser levados em consideração para um funcionamento perfeito e orgânico. Infelizmente, nem sempre as empresas, especialmente as de pequeno e médio porte, consideram como importante um programa de recrutamento elaborado e executado para encontrar o melhor candidato às vagas. Isso gera uma contratação errada, cujas consequências podem ser desastrosas.

Afinal, não é necessário ser um especialista no mercado para saber que a contratação de um candidato equivocado para um determinado cargo é capaz de gerar uma série de problemas para as empresas. Quando esse profissional é selecionado para atuar como um executivo ou na posição de gerência, os prejuízos por um recrutamento mal executado podem ser ainda maiores, prejudicando tanto o financeiro como o emocional de uma corporação.

De acordo com um levantamento, realizado pela Wyser — divisão de recolocação de profissionais executivos da consultoria GI Group —, o recrutamento errado de cargos de alta confiança pode custar, anualmente, até três vezes o valor do salário deste profissional, além dos danos na imagem, no ambiente salutar de trabalho e na dinâmica corporativa. Ou seja, todo cuidado é pouco na hora de selecionar o candidato ideal para uma vaga, devendo-se agir com estratégia.

Confira, na continuação de nosso artigo, quais os problemas que podem levar à contratação errada, como isso afeta sua empresa e o que fazer em cada caso.

Rapidez no processo de contratação

Ainda segundo o estudo da Wyser, parte das empresas que contratam um colaborador para um cargo de alto rendimento e confiança tem como motivação o fato de que este tipo de função não pode ficar sem alguém para executá-la. Isso acaba se convertendo em uma seleção mais rápida e menos criteriosa na escolha do contratado, que pode acabar sendo um profissional sem a capacidade de exercer bem o trabalho para o qual foi escolhido.

Junto com isso, há ainda o fato de que, na grande maioria das vezes, os cargos ocupados por executivos e outras funções gerenciais são mais difíceis de se substituir. Com isso, o profissional equivocadamente contratado acaba permanecendo por um longo período na função, mesmo não alcançando as expectativas.

Esses dois fatos ocorrem pela pressa em suprir uma posição e a demora em identificar o erro. Para além disso, a situação é ainda mais grave pelo custo envolvido no pagamento das indenizações diversas necessárias quando há o desligamento de um funcionário da empresa, ainda mais de alto cargo.

Nesse caso, o ideal é reconhecer o erro o mais rápido possível, já iniciar um novo recrutamento com bases mais criteriosas e dispensar o profissional inadequado, indicando um outro profissional da própria empresa para a vaga, ainda que temporariamente.

Ausência de critérios e perfil para contratação

Muitas vezes, os empresários que fazem a seleção acabam contratando na intuição. Embora isso possa funcionar algumas vezes, e o fator subjetivo de conexão seja realmente importante, é preciso ter critérios mínimos e um processo seletivo que estabeleça os melhores candidatos, a fim de evitar uma contratação errada.

Esses critérios passam por etapas de entrevista, provas escritas, testes de aptidão e de perfil, selecionados especificamente para a vaga a ser preenchida em um processo contínuo, em que cada uma dessas fases precisa ser efetivada e cumprida pelo candidato.

Isso porque, se houver muitas exceções e flexibilizações, significa que o processo seletivo de contratação está falho e poderá acabar em uma contratação equivocada, de um profissional que não é perfeitamente adequado à vaga. Isso gera um efeito cascata na corporação, com danos graves e difíceis de serem revertidos.

Deve-se, portanto, evitar flexibilizações nos critérios durante o processo de contratação, a fim de selecionar os melhores e mais aptos para a função em questão.

Danos de uma contratação errada

O primeiro problema de uma contratação realizada com pressa e sem atentar aos critérios mínimos para a vaga é a incapacidade do contratado de suprir as expectativas e produtividade inerentes ao cargo. Quer dizer, o profissional, ainda que qualificado em outras situações, poderá não atender à demanda da sua função, o que acarretará em prejuízo para a empresa.

Além disso, um profissional que esteja aquém do esperado, especialmente em cargos de alta confiança e poder de decisão, é capaz de criar um problema institucional, pois os colaboradores subordinados perceberão o equívoco e terão uma péssima impressão da organização, o que acabará desmotivando-os.

Para além disso, há a imagem externa da empresa, frente a clientes e fornecedores, que poderá ser prejudicada com um profissional que não tenha competência suficiente para uma função executiva, por exemplo. Todos esses são fatores precisam ser considerados.

Ou seja, uma contratação errada pode representar, em médio e longo prazo, um problema institucional e financeiro grave para a empresa. Para evitá-la, o ideal é ter um processo de seleção baseado em critérios objetivos, avaliações de perfil e de aptidão, conduzidos por profissionais da área, cuja experiência e expertise garantirá a melhor escolha possível para sua empresa.

Achou nosso artigo útil? Então não perca nosso conteúdo! Assine agora mesmo nossa newsletter e continue recebendo conteúdos exclusivos!

Template Avaliação de Candidatos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *