Humanização e tecnologia no RH

Tempo de leitura: 6 minutos

A modernização das empresas trouxe uma preocupação para algumas pessoas: sofrerem com a substituição de seus postos de trabalhos para processos automatizados. De fato, os conceitos da indústria 4.0 estão presentes em todos os setores atualmente, inclusive no recursos humanos. Entretanto, o RH tecnológico só consegue ser funcional quando aliado à atuação humana.

São pilares da 4ª revolução industrial: a Internet das Coisas, o Big Data Analytics e a segurança da informação. Por meio desses preceitos, é possível criar uma interação entre todas as áreas da empresa, possibilitando — por exemplo — a rastreabilidade dos processos. Além disso, é com esses pilares que foi promovida a automatização do RH.

Essa automação trouxe benefícios para a vida dos analistas de RH. Com a capacidade de armazenar dados foi possível deixar as tarefas mais dinâmicas. A análise de currículo, por exemplo, pode ser realizada digitalmente, sem a necessidade de impressão de papéis ou horas de análise do histórico dos candidatos. No RH tradicional, essa tarefa demandava muito esforço do recrutador.

Neste conteúdo, vamos falar sobre a importância de manter o RH tecnológico humanizado, mostrando como as ferramentas podem deixar o trabalho do setor mais estratégico. Continue a leitura!

Os 3 fundamentos do RH 4.0

Com a proposta da indústria 4.0 de integração entre os setores, os recursos humanos precisam atuar de forma estratégica. Adotar softwares de gestão de RH sem ter a máxima compreensão de suas funcionalidades e das necessidades da área pode transformar o investimento em um gasto desnecessário.

Para uma experiência realmente relevante e transformadora, o RH 4.0 precisa estar pautado em tecnologia, estratégia e gestão comportamental. É por meio desses três pilares que o setor assume uma posição mais próxima da gestão diretora podendo oferecer tomadas de decisões mais eficientes.

1. Tecnologia

Atualmente, existem diferentes ferramentas digitais para agilizar e tornar dinâmicos processos que até então pareciam impossíveis de serem automatizados. É possível fazer análises de perfis comportamentais — a fim de conhecer as soft skills dos candidatos —, promover reuniões por videoconferências, realizar análises de desempenhos dos colaboradores, etc.

A análise curricular também ficou mais fácil. Se antes os recrutadores precisavam analisar uma série de currículos em papéis, agora é possível fazer uma job description e toda a triagem de candidatos de forma automatizada. A inteligência artificial compreende e faz o processo eliminatório, oferecendo o nome das pessoas que são mais aderentes à função.

2. Estratégia

A tecnologia precisa ter um papel importante: integrar o RH com o restante da empresa e no conceito da indústria 4.0 é fundamental que todos os setores consigam dialogar. Essa integração e as soluções em gestão de pessoas precisam fazer parte do planejamento estratégico da empresa, afinal a utilização desses sistemas permite uma percepção mais analítica, com a exploração de dados e metodologias avançadas. Isso tudo faz com que o RH passe a ter um peso mais incisivo nas tomadas de decisão dentro das empresas.

3. Gestão comportamental

A gestão comportamental, por sua vez, é o elemento que junta a tecnologia com a estratégia. A intenção é proporcionar resultados mais eficazes, por meio da análise de perfis comportamentais.

Se você se questiona sobre o que é Perfil Comportamental, torna-se ainda mais fundamental contar com uma plataforma que consegue fazer essa análise de maneira inteligente. A apresentação de dados precisa ser intuitiva, a fim de facilitar o entendimento sem que o profissional de RH precisa ser um verdadeiro “cientista de dados”.

Essa tecnologia coleta e modela dados, permitindo que a empresa faça direcionamentos estratégicos para montar times de alta performance alinhando perfis dos colaboradores.

As 2 principais vantagens do RH tecnológico

Por meio de ferramentas digitais, existem possibilidades diferentes de garantir benefícios para o setor. Um RH tecnológico ganha em tempo, dinamismo, armazenamento de informação e capacidade estratégica. Dessa forma, os trabalhos operacionais ficam direcionados para as máquinas, enquanto os profissionais da área podem tomar posturas mais inteligentes.

1. Diminuição da burocracia 

Burocracia traz prejuízos para a organização. Quando os processos são rígidos em demasia, há problemas no dinamismo do trabalho e as entregas podem atrasar ou sofrer com demoras.

Alguns registros e aprovações podem ser realizados por meio de ferramentas digitais, o que torna todo o processo mais rápido. A tecnologia diminui a quantidade de etapas para determinadas funções e deixa as operações mais rápidas.

2. Aumento da produtividade

A tecnologia pode ajudar nos processos de recrutamento e seleção. É possível fazer análises mais efetivas das habilidades comportamentais e técnicas das pessoas que se candidataram para a função. Isso ajuda na redução do turnover (rotatividade).

Você sabe o que é People Analytics? Essa tecnologia permite o acompanhamento dos colaboradores por meio de parâmetros de medição e indicadores de desempenho e comportamentos. Assim, a equipe de RH consegue fazer uma apuração analítica e tomar posturas preditivas para evitar cenários negativos — como absenteísmo e presenteísmo.

Os modos de deixar o RH tecnológico mais humano

Como podemos observar até aqui, a tecnologia permite ao RH análises mais efetivas e precisas em relação ao comportamento dos trabalhadores. É possível entender melhor as soft skills das pessoas no momento do recrutamento, assim como acompanhar o seu desenvolvimento.

A humanização do setor pode ser um verdadeiro diferencial competitivo. Tratar o colaborador como uma pessoa e não como apenas um número dentro da organização é fundamental para promover uma cultura na qual todos são relevantes e necessários. Essa postura ajuda na retenção de talentos e impacta positivamente nos resultados. 

Algumas ações — com o suporte tecnológico — que podem ajudar na humanização do setor são:

  • identificar os perfis comportamentais aderentes às novas vagas e criar oportunidades para o desenvolvimento da carreira;
  • viabilizar treinamentos à distância;
  • criar canais de comunicação que envolva todos os colaboradores;
  • disponibilizar benefícios trabalhistas por meio de aplicativos;
  • realizar programas de reconhecimento profissional pautado não apenas em resultados, mas nos comportamentos alinhados à cultura organizacional.

A tecnologia não veio para substituir o ser humano, mas sim retirar as funções operacionais da rotina de trabalho e utilizar todo o potencial intelectual e estratégico dos colaboradores em ações mais efetivas para o negócio.

Por meio de um RH tecnológico é possível oferecer ferramentas necessárias aos profissionais do setor posicionarem seu trabalho mais próximo da gestão diretora. Além disso, é possível gerar novas funções dentro do RH.

Se você quer entender e conhecer mais sobre a transformação promovida pela quarta revolução industrial, não deixe de conferir nosso Guia completo sobre RH 4.0. Acesse!

Sobre o autor:

Giuliano Sales é analista e editor-chefe do Blog da Sólides.

A Sólides é uma plataforma de RH completo com People Analytics e Gestão Comportamental. Nosso objetivo é transformar as empresas por meio das pessoas, conseguindo desenvolver os seus potenciais ao máximo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *