Rescisão indireta é permitida? O que é e quando pode ser aplicada?

Rescisão indireta é permitida? O que é e quando pode ser aplicada?

Rescisão indireta é permitida? O que é e quando pode ser aplicada?
Rescisão indireta é um “trunfo” do colaborador quando o empregador comete algum tipo de falta grave, que inviabilize a manutenção da relação empregatícia. Em termos mais simples, a rescisão indireta funciona como uma inversão da demissão por justa causa.


Mesmo sendo pouco conhecida, a rescisão indireta é um direito previsto pela legislação nos casos em que o colaborador sente-se lesado pelo vínculo empregatício.

Ela é requerida em casos específicos, e a empresa deve ser notificada quanto antes para tomar as providências cabíveis.

Talvez a maioria das pessoas não imagine que um funcionário pode “demitir a empresa”, mas a legislação prevê algumas situações nas quais acontece um processo similar a esse.

Trata-se da rescisão indireta — um tema pouco conhecido, mas que faz parte das relações entre empregado e empregador.

Quer facilitar a tomada de decisão de contratação e demissão? Está em dúvida dos custos de um funcionário para a sua empresa?
Nós facilitamos para você! Baixa aqui a planilha GRATUITA e tenha os custos em menos de 1 minuto!

E você, já ouviu a respeito da rescisão indireta? Quer entender quando ela pode acontecer e quais são as implicações para a empresa? Então acompanhe este artigo e confira.

O que é a rescisão indireta de contrato de trabalho? 

A rescisão indireta consiste na solicitação da demissão, por parte do colaborador, em casos de descumprimento da lei ou do contrato trabalhista pelo empregador.

Dessa forma, ela deve ser requerida quando ocorrem situações intoleráveis para a continuação dos serviços ou, ainda, para o relacionamento profissional entre as partes

O que caracteriza a rescisão indireta?

A rescisão indireta pode acontecer quando o empregador comete algum tipo de falta grave, que inviabilize a manutenção da relação empregatícia.

Para colocarmos em termos mais simples, a rescisão indireta funciona como uma inversão da demissão por justa causa. Porém, neste caso, a falta é cometida pela empresa, causando sérios prejuízos ao empregado.

Esse procedimento — também conhecido como despedida indireta, demissão forçada ou justa causa do empregador — ocorre quando a empresa não demite o funcionário, mas deixa de cumprir o contrato ou cria condições de trabalho intoleráveis, que impedem a manutenção do vínculo empregatício.

A rescisão indireta só acontece em situações muito específicas. É preciso comprovar que a organização não cumpriu as cláusulas contratuais referentes à manutenção, sobrevivência e dignidade do trabalhador.

Como funciona a rescisão indireta?

Como acordado no artigo 483 da Consolidação das Leis de Trabalho, a famosa CLT, os funcionários têm todo o direito de solicitar a rescisão, porém, para ser validada, é necessário apresentar provas reais e que sejam compatíveis com a denúncia.

Pode-se utilizar registros, como áudios, vídeos, fotografias ou testemunhas que comprovem o ocorrido.

Ainda de acordo com a CLT, qualquer tipo de descumprimento das obrigações legais por parte do empregador, que interfiram no bom andamento da relação contratual, pode ser considerado falta grave.

Cabe, portanto, ao Tribunal Superior do Trabalho julgar o caso e admitir ou não a rescisão indireta.

Quando é aplicável a rescisão indireta?

O mesmo artigo da CLT citado no tópico anterior, determina os motivos que justificam um pedido de rescisão indireta. São eles:

  • Exigência do empregador na prestação de serviços superiores às forças do colaborador, contrário aos bons costumes e ao que foi acordado no contrato de trabalho;
  • Tratamento excessivamente rigoroso vindo do empregador;
  • Quando a vida do colaborador está em risco;
  • Descumprimento das cláusulas contratuais pela empresa;
  • Ofensas físicas vinda de superiores;
  • Ato contra a honra do funcionário e da sua família;
  • Redução da carga horária visando a diminuição do salário do colaborador.

Qual é a relação entre doenças psicossociais e rescisão indireta?

A CLT não trata da rescisão indireta em razão de doenças psicossociais, como: 

Porém, alguns dos motivos legais elencados no tópico anterior dão margem para essa possibilidade. Por que podemos fazer essa afirmação?

Ao analisarmos os pontos que falam sobre prestação de serviços superiores às forças do colaborador, exposição a riscos, ofensas e atos contra a honra, perceberemos que são situações que, no geral, levam profissionais a desenvolverem esse tipo de doença

Sendo assim, com base em provas concretas, é possível que o colaborador ganhe essa causa na justiça trabalhista.

Qual é o papel do RH na rescisão indireta?

É muito importante que o RH assuma uma postura imparcial, humana e empática na hora de avaliar um pedido de rescisão indireta. Uma vez que, em certos casos, é fácil o RH tomar o lado da empresa, possivelmente deixando de escutar os argumentos e analisar as provas dos colaboradores.

Um exemplo disso pode ser um pedido de rescisão indireta feito por um profissional que acusa o seu superior de assédio moral. Nessa situação, o RH precisa escutar ambos os lados antes de lançar uma acusação injusta contra os envolvidos.

Agindo assim, talvez seja possível resolver essa circunstância sem a necessidade do desligamento do profissional.

No entanto, a melhor estratégia contra pedidos de rescisão indireta é a prevenção. Para isso, o RH pode implantar canais de comunicação para denúncias, reclamações, críticas, sugestões e opiniões dos colaboradores. 

Desse modo, a empresa constrói um ambiente interno que reprime qualquer ato de desrespeito ao próximo.

Por que solicitar a rescisão indireta, e não a demissão voluntária? 

Quando o colaborador não concorda com as condições de trabalho e pede sua demissão, ele perde alguns direitos. Entre eles, a indenização de 40% sobre o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), que pode representar um valor considerável.

Porém, nas situações em que o empregador quebrou o contrato e tornou a manutenção do colaborador na empresa inviável, essa perda caracterizaria uma grande injustiça: além de ser submetido a condições indignas, ele ainda seria privado de um direito.

Como é feito cálculo da rescisão indireta?

Desde que seja devidamente caracterizada, a demissão forçada garante que o trabalhador receba todos os seus direitos. O cálculo de rescisão trabalhista inclui o pagamento de:

  • saldo de salário (proporcional aos dias trabalhados desde o último pagamento);
  • aviso-prévio, de acordo com as condições previstas em lei;
  • férias vencidas e proporcionais, acrescidas de 1/3;
  • 13° salário proporcional;
  • direito ao saque dos valores depositados no FGTS, com acréscimo de 40% do total referente à indenização;
  • entrega das guias para solicitação do seguro-desemprego.

Além disso, dependendo das situações ocorridas durante o período de trabalho, o colaborador pode pleitear uma indenização por danos morais. Veremos algumas dessas situações no próximo tópico.

Vale lembrar também que a rescisão indireta é uma forma de preservar não só os próprios direitos, mas promover a justiça.

Se uma empresa está desrespeitando os direitos dos trabalhadores, é correto que ela seja denunciada ao Ministério do Trabalho.

Cabe a esse órgão investigar os acontecimentos, identificar os direitos que estão sendo desrespeitados e disciplinar a situação. Ele deve exigir a correção dos procedimentos e a devida punição ao empregador que descumpre o contrato de trabalho.

Abaixo abordaremos os principais motivos para obter rescisão indireta e como o colaborador deve fazer para solicitar, mas antes separamos um material para que você mantenha todos os seus custos na palma da mão:

Quais são os principais motivos para a rescisão indireta?

O critério principal para obter a rescisão indireta é o artigo 483 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Ele determina que essa medida é cabível “se forem exigidos serviços superiores às suas forças, defesos por lei, contrários aos bons costumes, ou alheios ao contrato”.

Porém, na prática, a justiça entende que outras situações podem motivar a rescisão indireta. Conheça-as:

1- Falha no pagamento de salários

Caso ocorra falha no pagamento do salário, em qualquer tipo de modalidade, o atraso não pode passar de um mês. E isso só pode acontecer em caso de comissões, percentagens ou gratificações.

Se o repasse mensal dos recursos não for depositado para o empregado, a empresa tem até o quinto dia útil do mês subsequente para realizar o pagamento.

Passado esse tempo, o colaborador detém o direito de solicitar a demissão indireta.

2- Constrangimento ou assédio moral

Em casos de constrangimento ou assédio moral, em que o empregador cria um ambiente propício de danos à personalidade, à dignidade e à honra do funcionário, a rescisão indireta pode ser aplicada.

A conduta abusiva é todo e qualquer gesto, palavra, comportamento ou atitude que fere a integridade física e psíquica do indivíduo, o que ameaça a prestação de serviço e favorece a degradação do bom relacionamento contratual.

3- Recolhimento irregular de FGTS

O recolhimento de valores inferiores aos devidos ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o FGTS, constitui em uma falha grave. O saque do benefício é bastante requerido pelos empregados e, caso exista alguma inadimplência sobre o direito, a legislação obriga o pagamento de todas as verbas rescisórias, mais uma indenização de 40% sobre o valor total do FGTS.

4- Rebaixamento da função e salário

Quando existe rebaixamento da função, viabilizando a diminuição do valor do salário, a rescisão indireta é aplicada. Isso acontece quando o empregado é alocado para um cargo que não condiz com suas habilidades, quebrando-se o contrato trabalhista.

O mesmo ocorre quando a empresa desconta o repasse do vale-transporte sem entregá-lo ao funcionário, o que geralmente ocasiona uma indenização por danos morais.

5- Agressão física ou verbal

Não deve existir ofensas de qualquer natureza, seja física ou verbal, pois isso pode acarretar falhas graves para o empregador. A rescisão indireta só não é aplicada em casos de agressão por legítima defesa.

Entretanto, a lei é clara e justifica que a defesa, para ambas as partes, deve ser proporcional. Só assim o funcionário poderá recorrer ao pedido do procedimento por vias legais.

6- Exigência de atividades alheias ao contrato

Se forem exigidos serviços superiores às forças ou contrário aos bons costumes, a empresa pode ser penalizada pelo artigo 483 da CLT. Isso acontece quando o colaborador recebe o comando para realizar uma atividade que não está especificada em contrato. 

A lei afirma que o não cumprimento das obrigações contratuais pelo empregador configura uma falha grave e, portanto, o funcionário tem o direito de solicitar a rescisão indireta.

7- Não cumprimento das obrigações contratuais do empregador

Como registro do empregado, cumprimento do descanso semanal remunerado, desrespeito ao intervalo para descanso e refeição, entre outros;

8- Desconto do valor referente ao vale-transporte

Nesse caso, se aplica quando não há a respectiva entrega do benefício ao colaborador.

9- Exigência de atividades proibidas por lei

Se aplica a qualquer exigência que infrinja as leis ou são contrárias aos bons costumes.

10- Tratamento excessivamente rigoroso

Se aplica quando há tratamento excessivamente rigoroso por parte do empregador ou superiores hierárquicos.

11- Exposição a perigos evidentes ou males consideráveis

Qualquer exposição perigosa evidente ou males consideráveis são aplicáveis.

12- Exigência de trabalhos superiores às forças do empregado

O que envolve não só as forças físicas, mas as situações em que a habilitação profissional ou técnica do colaborador não corresponde às tarefas solicitadas.

13- Redução do trabalho do funcionário

Se aplica a colaboradores que trabalham por peça ou tarefa, ocasionando uma redução no salário.

14- Falha no fornecimento de equipamentos de proteção

Se aplica quando não há distribuição de equipamento individual ao trabalhador (EPIs), colocando sua integridade em risco.

Quando, além dos prejuízos materiais, as situações relatadas pelo trabalhador representam qualquer tipo de ofensa moral, o empregador pode ser obrigado a pagar indenizações por danos morais.

Isso acontece em situações nas quais houve agressão verbal ou física, revistas íntimas visuais, comentários constrangedores e discriminações de todo o tipo, inclusive homofóbicas.

Vale ressaltar que não basta o funcionário relatar esses problemas. Ele precisa provar que essas situações realmente aconteceram, por meio de provas documentais ou testemunhais.

Como o colaborador deve pleitear seu direito à rescisão indireta? 

Para não correr o risco de ser acusado de abandono de emprego, o funcionário deve seguir os procedimentos corretos. O primeiro passo é romper o contrato por justa causa e comunicar esse fato ao empregador.

Esse procedimento deve ser feito por meio de um advogado, preferencialmente especializado em causas trabalhistas. O pedido de demissão indireta se inicia com a entrada em uma ação trabalhista de rescisão contratual.

A ação protocolada precisa conter:

  • uma descrição dos motivos que levam ao pedido da rescisão indireta;
  • uma relação de todos os pagamentos de obrigações às quais o empregado tem direito e que estão sendo requeridas ao empregador por meio desta ação.

O funcionário deve deixar o serviço apenas após a decisão do Tribunal Superior do Trabalho, que é uma garantia de que houve um entendimento da justiça de que a situação realmente configura motivo para a rescisão indireta.

Quais são os direitos dos colaboradores?

No momento da quebra de contrato, que ocasionou a demissão forçada, ao funcionário é garantido todos os seus direitos estipulados pela CLT – veremos quais são eles no próximo tópico.

A depender da situação, o colaborador pode ainda requerer uma indenização por danos morais. Entretanto, é extremamente importante evitar qualquer tipo de inadimplência ou desacordo que intervenha diretamente no contrato trabalhista, evitando que a situação ocorra na empresa.

Utilizar a rescisão indireta como um meio para a demissão deve ser considerado apenas nos casos enquadrados pela lei. Assim, é preciso que ambas as partes do acordo cumpram com suas obrigações e deveres, evitando que o dispositivo legal seja solicitado e, como consequência, o vínculo empregatício seja encerrado de forma desagradável.

A rescisão indireta é um dispositivo cujo propósito é garantir ao trabalhador condições dignas de trabalho. Para evitá-la, ambas as partes — empregado e empregador — devem cumprir devidamente os seus deveres.

O que a empresa precisa pagar, caso seja aprovada?

Caso a Justiça do Trabalho dê causa ganha ao colaborador, a empresa precisa pagar as mesmas verbas rescisórias relacionadas a demissão sem justa causa. São elas:

  • Aviso prévio;
  • Décimo terceiro salário;
  • Saldo salarial;
  • Férias proporcionais e vencidas, ambas acrescidas do terço constitucional;
  • Multa de 40% do valor depositado para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS);
  • Entrega de guias para a solicitação do seguro-desemprego.

O que acontece caso a rescisão indireta seja negada?

Caso a empresa não concorde com o pedido de rescisão indireta, o colaborador pode agir de duas maneiras:

  • Aceitar o pagamento das verbas rescisórias relacionadas ao pedido de demissão comum;
  • Entrar com um processo judicial na Justiça do Trabalho solicitando o reconhecimento da rescisão indireta.

Como a empresa pode se precaver na rescisão indireta?

Uma das maneiras da empresa evitar pedidos de rescisão indireta é ter uma política interna que identifique e puna qualquer ato de desrespeito ao trabalhador. Como dito, o RH pode ajudar por meio da criação de canais de denúncia.

Outra ação importante é elaborar palestras e eventos internos para a conscientização dos colaboradores em relação às regras adotadas pela empresa. Dessa forma, todos entendem o que fazer quando são submetidos a um mal tratamento, bem como se evita o perigoso clima de impunidade na organização.

Além dessas atitudes, a empresa precisa também ter um bom departamento jurídico composto por profissionais capacitados ou contratar advogados com experiência em causas trabalhistas. Essa estratégia dará segurança à organização quando o pedido de rescisão indireta for feito com má fé.

Sem dúvidas, o bom relacionamento entre empresa e colaborador é o caminho para a retenção de profissionais e um clima interno satisfatório. Sendo assim, serão evitados os problemas judiciais que são tão desgastantes para as organizações e os trabalhadores.

Entendeu o que é e como aplicar a rescisão direta? Quer entender um pouco mais sobre o assunto ? Então, baixe nosso e-book gratuito: Tudo o que você precisa saber sobre Processo Trabalhistas! 

New call-to-action

Marcelo Furtado

Marcelo Furtado é administrador de empresas com pós-graduação em engenharia financeira pela Poli-USP. Iniciou sua carreira na Pepsico e posteriormente trabalhou 8 anos com gestão de ativos em hedge funds. É cofundador da Convenia, primeiro software na nuvem de gestão de departamento pessoal voltado para pequenas e médias empresas no Brasil. Marcelo também atua como professor de Marketing Digital na ESPM-SP e mentor na ACE e Google Campus.

Este post tem 41 comentários

  1. marcelli

    No caso eu estou registrada como assistente contábil, e há duas semanas houve um desentendimento meu aqui na empresa pelo falta de uma falta não justificada, e depois disso a minha chefe me colocou para fazer as atividades do RH. E me tirou do meu departamento que eu sempre exerci meu trabalho. Eu cheguei pedir para que eles me mandasse embora e eles não aceitaram, dai fizeram isso comigo me colocando para exercer função do RH com o registro de Assistente contábil. É possível pedir um rescisão indireta com esse ocorrido?

    1. Paulo Silva

      Olá Marcelli! Recomendamos que você busque o auxílio profissional de um advogado.

  2. Fábio Paulino de Sousa

    Boa noite.
    Ótimo artigo, e estou vivendo isso hoje.
    Minha audiência está próxima,graças a Deus,e o meu advogado trabalhou certinho,como está descrito aqui.
    Só que nesse tópico abaixo que fica minha dúvida.
    Pois depois de um acidente grave,e quase 2 mêses afastado,liberando pelo INSS para voltar a empresa,e não voltei.
    Não dava mais,e diante de tantas coisas procurei um advogado e falta bem pouco para tudo isso acabar.

    O funcionário deve deixar o serviço apenas após a decisão do Tribunal Superior do Trabalho, que é uma garantia de que houve um entendimento da justiça de que a situação realmente configura motivo para a rescisão indireta.Resisao

    Fiz uma denúncia no Ministério do trabalho, e o restante foi feito pelo advogado que me assiste: Comunicação à empresa,e Protocolou a Ação no Fórum do trabalho,tudo antes do 16° dia.

    Obrigado assinado Fábio Paulino

    1. Aysha Cavalcante

      Olá, Fábio. Agradecemos o seu comentário.
      O senhor já realizou o que estava ao seu alcance ao ajuizar uma reclamação trabalhista.
      Desejamos sucesso.

  3. Denis Viviani Sanches

    Gostei da informação, muito clara e objetiva.

  4. Waldy Ferreira

    Meus parabéns, não sabia dessa informação, obrigado pela informação

  5. Valquíria

    Parabéns pela iniciativa. Ficou muito claro o entendimento.

  6. Juliana

    Muito Bom o Artigo!

  7. Joenio fernandes de Souza

    Boa tarde! eu tinha provas gravadas, inclusive de ameaça de demissão, envolvendo inclusive envolvendo meu trabalho voluntário como mesario nas eleições, a maioria das pressões, acontecia sem testemunha… como devo agir?

    1. Paulo Silva

      Olá Joenio! Recomendamos que busque o auxílio profissional de um advogado.

  8. Andre da Rocha Gonçalves

    Vi em outro site que não pagamento de férias também é considerado um caso grave e por isso também pode pedir rescisão indireta procede?

    1. Paulo Silva

      André, boa tarde! Não pagar é um caso grave sim, e pode ser razão para rescisão indireta. Entretanto, recomendamos que busque o auxílio profissional de um advogado para que ele analise melhor sua situação.

  9. Gelson

    Muito bom seu artigo, bem explicativo, com ótimas dicas. Meus parabéns

  10. Gelson

    Muito bom seu artigo, bem explicativo, com ótimas dicas. Meus parabéns

  11. Alexandre

    Eu tenho 4 férias vencidas e o salários estão sendo atrasado

    1. Paulo Silva

      Olá Alexandre! Recomendamos que busque auxílio profissional de um advogado.

  12. Eu trabalho em uma empresa a trezer anos e quero sair eles já falaram que faria um acordo comigo mas deste fevereiro estão me enrolando e Agora aconteceu um fato inusitado colocaram no banheiro um pedaço de costelinha de porco dentro da caixa de descarga do banheiro e me acusam te sido eu mas não fui eu que coloquei e estou pensando em colocar eles na justiça

    1. Paulo Silva

      Olá Nailton! Recomendamos que busque auxílio profissional de um advogado para tratar desse episódio.

Contribua com este post