4 dicas para desenvolver a inteligência emocional no trabalho

4 dicas para desenvolver a inteligência emocional no trabalho

4 dicas para desenvolver a inteligência emocional no trabalho

No livro “Inteligência Emocional 2.0”, publicado pela TalentSmart, é apresentado um estudo que revela uma informação interessante: a inteligência emocional é responsável por 58% do desempenho de um profissional

Além disso, 9 em cada 10 profissionais de alto desempenho tem essa habilidade bem desenvolvida.

Mas o que é inteligência emocional? Por que ela é tão importante? Como desenvolvê-la? Confira as respostas nos próximos tópicos!

O que é inteligência emocional?

Uma das melhores definições sobre a inteligência emocional foi feita por Daniel Goleman – psicólogo e PHD da Universidade de Harvard – no seu best seller “Inteligência Emocional”. Segundo ele, essa habilidade envolve a capacidade de gerenciar sentimentos para que sejam expressados de modo eficaz e apropriado.

Administrar as emoções, conforme explicado no livro, é essencial para o desenvolvimento da inteligência de um indivíduo. Porém, ainda de acordo com Goleman, para que a inteligência emocional faça parte da nossa personalidade, é preciso que esteja sobre cinco pilares:

  1. Autoconsciência;
  2. Automotivação;
  3. Autorregulação;
  4. Empatia;
  5. Habilidades sociais.

Qual é a importância da inteligência emocional no mundo corporativo?

Quando um profissional tem inteligência emocional, são grandes as chances de ter uma carreira bem sucedida. Um dos motivos para isso é a capacidade de enfrentar desafios com resiliência – algo fundamental no mundo corporativo. Outra razão se deve a facilidade em lidar com colaboradores e clientes.

Podemos citar também o controle de emoções negativas. Esse comportamento vindo da inteligência emocional é importante porque derruba entraves emocionais que podem prejudicar o profissional e a sua equipe.

Em vista dos aspectos positivos, esse conjunto de competências faz com que o indivíduo  se destaque na empresa, resultando em promoções, melhores salários e até cargos de liderança.

Atitudes que ajudam a desenvolver a inteligência emocional

Separamos algumas atitudes que podem ajudar os profissionais a chegarem mais perto de  gerenciar suas emoções. Possibilitando, assim, o aparecimento de mais oportunidades e até de reconhecimento no ambiente corporativo.

Fale sobre o que incomoda

Situações de estresse no ambiente de trabalho não devem ser ignoradas até que não sejam mais lembradas. O ideal é que quem se sente incomodado avalie bem qual foi o tipo de atitude ou situação que, de fato, lhe causou um dissabor – podendo, dessa forma, conversar sobre o assunto e encerrá-lo por completo.

Observação é fundamental

É importante estar atento aos sinais, às emoções e ao comportamento de quem trabalha com você. Dessa forma, busque identificar o que pode estar acontecendo de errado ou até o que possa estar sendo escondido.

Fique atento na sua capacidade de influenciar

Prestar atenção no tipo de assunto ou afirmação que faz com que os outros concordem com você, mesmo que sutilmente. Esse é o tipo de capacidade que pode servir de base para a construção de uma carreira de sucesso e, por isso, deve estar sempre no seu foco de atenção.

Saiba que o seu sucesso também depende dos outros

Ter em mente que o seu trabalho sempre precisará do apoio e da colaboração de outras pessoas é essencial para o sucesso, e ter empatia e respeito com seus colegas é a melhor forma de se adaptar a diferentes necessidades e cenários (que levam em conta os seus colegas) para realizar um bom trabalho e ser reconhecido por isso.

4 dicas sobre inteligência emocional para o RH aplicar na jornada de trabalho

O RH, em especial, precisa criar estratégias para o desenvolvimento da inteligência emocional na empresa. Como fazer isso? Vamos a algumas dicas:

1- Construa a motivação nas equipes

De acordo com uma pesquisa realizada por pesquisadores da Universidade de Yale, quando profissionais são motivados a trabalharem em equipes, é mais fácil desenvolver emoções positivas – um aspecto da inteligência emocional. O resultado é o aumento da produtividade interna.

2- Realize dinâmicas

Dinâmicas em grupo são ferramentas importantes para o desenvolvimento da inteligência emocional. Nesse tipo de treinamento podem ser incluídos jogos e atividades que estimulem o autoconhecimento, empatia, interação, autocontrole e a automotivação dos participantes.

3- Fortaleça a comunicação

O RH pode implantar a cultura do feedback para melhorar a comunicação entre os gestores e as equipes. O objetivo é apontar o que cada profissional precisa melhorar para desenvolver a inteligência emocional. Todos devem ser incentivados a fazerem críticas construtivas e elogios sinceros.

4- Mensure habilidades

Conforme dito, a inteligência emocional é embasada em algumas habilidades. Com a ajuda de um software de gestão comportamental, o RH consegue mensurar o nível dessas habilidades dos colaboradores. Desse modo, é possível criar estratégias para desenvolvê-las nas equipes.

Podemos dizer que a inteligência emocional continuará a ser uma das habilidades mais requisitadas pelas organizações do mundo corporativo. Em vista disso, os profissionais devem se esforçar em desenvolvê-la. Por outro lado, os RHs precisam identificar essa habilidade nos candidatos a uma vaga interna para montar times de alto rendimento.

Entendeu como a inteligência emocional potencializa o trabalho nas empresas? Quer conhecer outras dicas exclusivas para desenvolver essa habilidade no seu time? Então, baixe nosso e-book gratuito: Como cuidar da saúde mental e emocional dos colaborares!

New call-to-action

Marcelo Furtado

Marcelo Furtado é administrador de empresas com pós-graduação em engenharia financeira pela Poli-USP. Iniciou sua carreira na Pepsico e posteriormente trabalhou 8 anos com gestão de ativos em hedge funds. É cofundador da Convenia, primeiro software na nuvem de gestão de departamento pessoal voltado para pequenas e médias empresas no Brasil. Marcelo também atua como professor de Marketing Digital na ESPM-SP e mentor na ACE e Google Campus.