Por que promover a diversidade geracional na empresa?

Por que promover a diversidade geracional na empresa?

A diversidade geracional tem impactos positivos importantes para as organizações. De acordo com um estudo realizado pela McKinsey & Company, uma equipe com vários perfis é capaz de gerar mais valor, desempenho e lucratividade para as empresas

Falando sobre a diversidade gerencial entre executivos, essa pesquisa revelou que as empresas que investem nessa prática tem uma margem lucrativa 21% maior do que as que não investem.

Sendo assim, fica clara a importância da diversidade gerencial. Mas o que significa essa prática? Como promovê-la na empresa? Quais são as reais vantagens dela? Essas perguntas são respondidas neste artigo. Acompanhe os nossos tópicos!

O que é diversidade geracional?

Podemos definir a diversidade gerencial como uma prática que integra a equipe da empresa com profissionais de diferentes:

  • Faixas etárias;
  • Gêneros;
  • Religiões;
  • Conceitos ideológicos;
  • Estado civil;
  • Capacidade física;
  • Raça etc.

O objetivo da diversidade geracional não é estabelecer cotas de vagas internas para cada um desses grupos, mas oferecer as mesmas oportunidades profissionais para todos. 

Quando esse é o pensamento na empresa, não existe discriminação no processo seletivo, nas promoções de cargos, no valor dos salários, benefícios e no alcance de funções executivas.

Segundo o livro “Driven by Difference: How Great Companies Fuel Innovation Through Diversity”, escrito por David Livermore, equipes diversas são muito mais criativas do que as homogêneas. 

Quando bem gerenciada, a diversidade potencializa a inovação em processos internos, produtos e serviços. O resultado é uma marca competitiva, inovadora e com alto valor no mercado corporativo em que atua.

Principais gerações do mercado de trabalho atualmente 

De acordo com um artigo do site da Harvard Business Review, atualmente, as empresas podem conter até 5 gerações de colaboradores em sua equipe interna. Quando observados de perto, esses grupos têm diferenças nas suas atitudes em relação ao trabalho – é o que diz o estudoGeneration Differences in Work-Related Attitudes: A Meta-analysis”.

Sendo assim, é importante que o RH conheça as características de cada geração para oferecer a melhor experiência profissional para elas. Mas quais são as principais gerações que ocupam as vagas das empresas brasileiras? Vejamos.

Baby boomers

Essa geração inclui profissionais nascidos entre as décadas de 1940 e 1960 (atualmente com 60 a 80 anos). O perfil desse grupo é voltado para a estabilidade e fidelidade no emprego. Além disso, devido à experiência profissional, tendem a trabalhar em áreas mais estratégicas e de liderança nas empresas.

Geração X

Os nascidos entre as décadas de 1960 e 1980 são conhecidos como geração X (atualmente com 40 a 60 anos). No geral, são profissionais que não possuem uma afinidade tão próxima com os meios digitais quanto as gerações mais jovens. Porém, assim como a geração baby boomers, prezam por uma carreira sólida e estável.

Geração Y ou Millennials

A geração Y marca os profissionais nascidos nos meados da década de 1980 até o final dos anos de 1994 (atualmente com 25 a 40 anos). Esse grupo cresceu durante a transição das tecnologias analógicas para as digitais. 

Devido ao processo de globalização – que vivenciaram nos anos escolares, a geração X se propôs a uma maior liberdade de oportunidades, deixando de lado a estabilidade de emprego tão valorizada pelas gerações anteriores.

Geração Z

Por fim, as empresas estão recebendo os profissionais da geração Z – nascidos entre 1995 e 2010 (atualmente com 10 a 25 anos). Como cresceram utilizando dispositivos eletrônicos e acessando redes sociais, esse grupo é focado em tecnologias e na disrupção que causaram no ambiente de trabalho. Por isso, prezam pela inovação, flexibilidade de horários e o trabalho remoto.

Quais são os benefícios de uma equipe diversa?

A diversidade gerencial oferece muitas vantagens para as empresas. No entanto, podemos destacar as principais. É o que faremos a seguir!

Clima organizacional

Quando existem colaboradores com diferentes perfis na empresa, se cria uma cultura de respeito à diversidade. Esse clima interno melhora a convivência entre os times, elevando o espírito de colaboração e cooperação. 

Além disso, os profissionais aprendem a valorizar as qualidades e competências um do outro, independente de suas diferenças.

Produtividade

Com um clima organizacional saudável, os colaboradores se sentem mais satisfeitos, felizes e engajados com o seu trabalho. 

Esse bem-estar interno melhora a qualidade de vida do time, impactando diretamente na sua produtividade nos serviços que prestam. Outro benefício é sentido na qualidade das demandas realizadas.

Lucratividade

A diversidade gerencial permite que a empresa tenha representantes de vários perfis comportamentais humanos na hora de desenvolver um produto ou serviço. 

Dessa forma, fica mais fácil atender a necessidades específicas de um determinado grupo de consumidores. O resultado é a elevação das vendas e do engajamento com o público-alvo.

Criatividade e inovação

Profissionais de perfis diferentes ajudam a empresa a desenvolver projetos criativos e inovadores. Uma vez que, o time plural tem diversos pontos de vista sobre um determinado processo. 

Dessa forma, o volume de ideias incríveis é muito maior. Essas ideias são verdadeiras jóias que podem diferenciar a empresa da concorrência.

Como promover a diversidade geracional no seu negócio?

Diante de tantas vantagens, fica bem claro que a diversidade gerencial deve fazer parte de uma empresa moderna. Para implantar essa prática na gestão de pessoas, é necessário:

  • Contar com a liderança: os líderes precisam dar o exemplo e incentivar o respeito pela diversidade;
  • Criar estratégias de inclusão: ações voltadas para a disseminação de um pensamento diverso devem fazer parte da política interna. Por exemplo, palestras online que abordam a diversos tópicos sobre diversidade;
  • Elaboração de métricas: os gestores precisam acompanhar e monitorar as métricas da diversidade. Esses indicadores servem para mostrar o quanto o time interno está plural ou se ainda preserva uma característica homogênea;
  • Abra a comunicação: é importante criar canais de comunicação para denúncias sobre discriminação entre as equipes.

Não podemos esquecer que a diversidade é algo muito benéfico. Afinal, basta olharmos à nossa volta que perceberemos a diversidade até na natureza. 

Sem essa característica, o mundo e as pessoas não teriam evoluído tanto. Pelo contrário, estaríamos bem atrasados em qualquer área humana.

Sendo assim, a diversidade gerencial é mais do que uma estratégia corporativa, mas deve ser vista também como uma forma sábia de adequar a empresa a um fato: todos somos diferentes, por isso, chegamos mais longe.

Entendeu por que promover a diversidade gerencial na empresa? Comece hoje mesmo a colocar isso em prática com o nosso e-book: Como criar um comitê de diversidade na sua empresa“!

New call-to-action
Clique para avaliar esse post!
[Total: 1 Média: 5]

Marcelo Furtado

Marcelo Furtado é administrador de empresas com pós-graduação em engenharia financeira pela Poli-USP. Iniciou sua carreira na Pepsico e posteriormente trabalhou 8 anos com gestão de ativos em hedge funds. É cofundador da Convenia, primeiro software na nuvem de gestão de departamento pessoal voltado para pequenas e médias empresas no Brasil. Marcelo também atua como professor de Marketing Digital na ESPM-SP e mentor na ACE e Google Campus.

Contribua com este post