Por que é importante falar sobre equidade de gênero nas empresas?

Marcelo Furtado
Cultura Organizacional
  6 min. de leitura

O caminho em direção a equidade de gênero nas empresas ainda é longo: seriam necessários 99,5 anos – de acordo com o estudo “Global Gender Gap Report 2020”, publicado pelo World Economic Forum (WEF). Algo que ajuda na conquista desse objetivo é falar sobre esse tema tão importante.

E é isso que faremos neste artigo. Além de explicarmos o conceito de equidade de gênero, falaremos também sobre a sua importância e como o RH pode impulsioná-lo por meio de ações estratégicas. Acompanhe os próximos tópicos!

Entendendo o que é equidade de gênero

A equidade de gênero significa oferecer as mesmas oportunidades, benefícios e tratamento tanto para os homens como para as mulheres. No contexto empresarial, esse conceito permite que ambos tenham igual acesso a:

  • Boas remunerações;
  • Promoções de carreira;
  • Posições de liderança;
  • Treinamento e capacitação;
  • Qualidade de vida.

Em outras palavras, a equidade de gênero faz com que a empresa, ao definir as políticas internas, leve em conta as necessidades, peculiaridades e perfil profissional de homens e mulheres.

E quanto a igualdade de gênero? É o mesmo conceito de equidade, mas com um nome diferente? Podemos dizer que são dois conceitos distintos e ao mesmo tempo complementares.

No caso da igualdade, o foco é na proporcionalidade. Por exemplo, uma empresa que tem um percentual igual ou bem próximo de homens e mulheres na liderança, é um ambiente que promove a igualdade de gênero.

Então, para ficar bem claro, a equidade é voltada para as ações corporativas que embasam a igualdade de oportunidades entre os sexos.

A importância de falar sobre equidade de gênero

A falta de equidade de gênero é uma infração ao artigo 2 da Declaração Universal dos Direitos Humanos feita pela Organização das Nações Unidas (ONU). Nesse artigo, é dito que todos os seres humanos têm os mesmos direitos, dignidade e liberdade.

Porém, muitos setores da nossa sociedade não levam a sério ou desconhecem esse importante documento. Isso acontece porque as diferenças de tratamento entre homens e mulheres têm raízes históricas e culturais.

O reflexo disso é visto no mundo corporativo. Segundo o estudoIs Gender Diversity Profitable?”, produzido pelo Peterson Institute for Internacional Economics, das mais de 21 mil empresas pesquisadas, 50% não tinham mulheres na posição de líder.

Esses números mostram um recorte nos cargos de liderança, mas os impactos da ausência de equidade entre os gêneros atingem todas as áreas das organizações. Quando as empresas começam a se preocupar em promover ações internas iguais para os gêneros, mostram um grande respeito pelo ser humano – em especial pelas mulheres.

O efeito disso se estende para os resultados organizacionais. A pesquisaDiversity Matters”, feita pela Mckinsey & Company, revela que as empresas com maior nível de equidade têm um desempenho 15% maior do que a concorrência. Fica claro que investir nessa prática é uma estratégia inteligente.

O papel do RH nesse debate

Sendo responsável pela gestão de pessoas, o RH tem um papel fundamental na promoção da equidade de gênero na empresa. Uma das maneiras de fazer isso é por meio da criação e implantação da gestão da diversidade.

Esse tipo de política é composto por dois pilares que sustentam a equidade: a diversidade e a inclusão. Enquanto o primeiro pilar garante que a empresa tenha um time com profissionais de diferentes gêneros, o segundo estimula o acolhimento, a aceitação e o respeito entre homens e mulheres.

Uma vez construída essa base, é importante que o RH estruture as seguintes práticas:

  • Recrutamento e seleção – vagas oferecidas para aqueles que têm as competências, habilidades técnicas e comportamentais compatíveis com a função – sem critérios discriminatórios;
  • Gestão de desempenho – os líderes e gestores são treinados para analisar o desempenho dos profissionais (independente do gênero) visando promoções futuras;
  • Remunerações, benefícios e programas de recompensa – os salários são atrelados aos cargos e não ao sexo. O mesmo acontece com os benefícios e as premiações. Todos têm a mesma chance de recebê-los desde que apresentem um bom desempenho;
  • Treinamento e desenvolvimento – o programa interno de aprendizagem e desenvolvimento profissional incluirá colaboradores de ambos os sexos, além de levar em conta necessidades específicas deles;
  • Comitê da diversidade – órgão interno que representa, fiscaliza e promove os direitos dos gêneros dentro da empresa.

Todas essas estratégias, por fim, ajudam a organização a ter a cultura da diversidade. Esse tipo de cultura melhora a employer branding (marca empregadora) da empresa, bem como potencializa os níveis de atração e retenção de profissionais.

Construir um espaço com oportunidades iguais não é dever apenas das mulheres

Para que a empresa seja um espaço com oportunidades iguais para homens e mulheres, é necessário um esforço global. Isso quer dizer que essa responsabilidade não deve ficar só nas mãos das colaboradoras. Mas como engajar os profissionais do sexo masculino nessa luta? É preciso uma mudança de mentalidade interna.

Para isso, a liderança e o RH precisam “lançar luz” sobre o tema equidade de gênero. Dessa forma, o assunto será tratado abertamente por meio de discussões, debates, eventos e ideias para melhorar as taxas de representatividade de mulheres.

Nesse contexto, nascem ações e estratégias importantes para a redução das diferenças entre os gêneros. Cabe ao RH “bater do martelo” em relação às políticas que serão implementadas. No entanto, ao comitê da diversidade deve ser dada a liberdade de:

  • Questionar as práticas internas;
  • Identificar e tomar ações contra comportamentos discriminatórios;
  • Propor mudanças e ideias que beneficiem os gêneros.

Esse esforço em conjunto: RH, líderes e comitê da diversidade, dará a força que as mulheres precisam para ter os mesmos direitos e oportunidades que os homens. Vale lembrar que quando as competências e habilidades dos gêneros se unem, as empresas só têm a ganhar.

O que achou do nosso artigo? Entendeu os benefícios que a equidade de gênero oferece para as organizações? Quer implantar esse conceito no seu negócio? Então, aprenda com o nosso e-book: Como fortalecer a liderança feminina na empresa.

New call-to-action

Compartilhe nas redes sociais

Posts Relacionados

Contribua com esse post

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Plataforma para gestão de departamento pessoal online.

Automatize suas rotinas de RH e Departamento pessoal e controle os dados de seus funcionários em um único lugar, de onde estiver.

Quer receber todas as novidades do nosso blog?

Se inscreva abaixo e receba conteúdos exclusivos!

[GUIA DO RH/DP]Entenda como cuidar da sua saúde emocional e desenvolvimento profissional

Profissionais do RH e DP precisam cuidar da própria saúde emocional e carreira para ajudar outros da empresa a fazerem o mesmo. Pensando nisso, em parceria com a Mereo, desenvolvemos esse Guia super completo! 🥰