Abril azul: entenda o motivo dessa data!

No intuito de construirmos uma sociedade mais justa e inclusiva, o mês de abril é dedicado a uma causa muito importante. Nesse período, somos convidados a refletir, debater e agir em prol das pessoas com autismo. Pensando em dar maior visibilidade para o tema, foi criado o abril azul, mês internacional da conscientização do autismo.

Assim, preparamos esse post para mostrar que sua empresa e, principalmente o RH, necessitam desse olhar atento para o abril azul. Neste conteúdo, trouxemos sugestões de ações necessárias para a inclusão de todas as pessoas colaboradoras.

Para as empresas, estar atento ao calendário do RH, celebrando datas que são relevantes para a sociedade, torna-se indispensável para o crescimento interno. Venha entender o que é abril azul, o que é autismo, causas, direitos da pessoa autista, e porque é importante promover ações em sua empresa engajadas com o abril azul. 

O que é abril azul?

Foi a Organização das Nações Unidas (ONU) quem escolheu o dia 2 de abril como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. O azul é visto como a cor ideal para o incentivo da comunicação verbal entre as pessoas. Representar o mês do autismo com essa cor, reforça a ideia de deixar as pessoas autistas calmas, em equilíbrio e acolhidas.

Apesar de um grande número de crianças receberem o diagnóstico de autismo, aqui no Brasil chegando a 2 milhões de casos, o assunto ainda é desconhecido para grande parte da população.

A campanha tem o objetivo de despertar um olhar mais empático e realista  para o autismo. São feitas diversas ações sobre o tema, que ajudam a debater o assunto em seus vários aspectos. Desde autistas no mercado de trabalho, nas escolas, nas famílias e em todas as instâncias da sociedade. 

Usar os meses do ano para discutir questões diversas relacionadas à saúde é essencial para que essas temáticas sejam bem compreendidas socialmente. No início do ano contamos com o janeiro branco, que pede espaço para ressaltar a importância de cuidar da saúde mental. 

Em sequência, trouxemos um conteúdo sobre fevereiro roxo, conscientizando sobre doenças crônicas. Já o março lilás tem a força de alertar a população sobre a prevenção do câncer de colo de útero.

Neste texto, você vai saber mais sobre o que significa abril azul, o que é autismo e quais ações são fundamentais para sua empresa fazer, tanto para acolher pessoas autistas que trabalham, quanto para familiares dos colaboradores 

Afinal, o que é autismo?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), conhecido como autismo, é um transtorno neurológico que afeta o desenvolvimento de habilidades sociais, comunicativas e cognitivas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), atinge 1 em cada 160 crianças no mundo.

É importante destacar que esta não é uma condição única e uniforme, variando para cada indivíduo. Os sinais e sintomas podem afetar com intensidades diferentes, por isso o recomendado é sempre procurar médicos especialistas em TEA. 

Em alguns casos há também dificuldade de aprendizado, e, em outras, a pessoa se mostra muito ativa em determinado assunto.

Situações envolvendo habilidades sociais e comunicativas possuem alguns sinais. As pessoas com autismo podem ter dificuldades em:

  • Falar sobre si mesmas, expressar emoções e iniciar conversas;
  • Compreender gestos, expressões e outras mensagens não verbais; 
  • Estabelecer amizades e conseguir oportunidades no mercado de trabalho.

Com relação às habilidades de comportamento, também se destacam:

  • A necessidade de haver uma rotina extremamente controlada, a falta de ordem pode causar angústia.
  • Falas repetidas, movimentos como agitar as mãos, manter as coisas alinhadas, como brinquedos, livros, etc.

O diagnóstico preciso acontece em crianças com 2 e 3 anos, momento em que estão tendo maior interação. Algumas das características que ajudam a identificar a condição envolvem:

  • Falta de olhar nos olhos quando alguém está falando;
  • Não gostar de receber carinho, evitando abraços quando o carinho acontece;
  • Dificuldade em socializar com outras crianças. Mesmo sabendo falar, ela irá preferir manter-se quieta.
  • Gostar de brincar sempre com os mesmos brinquedos.

Existe uma causa para o autismo?

Apesar de não se saber ao certo quais são as causas para o Transtorno do Espectro Autista, muitos estudos apontam para a genética. Partem de uma série de alterações ocorridas no cérebro, que afetam seu funcionamento normal. Não são respostas claras, os pesquisadores ainda seguem analisando hipóteses para entender mais.

Uma pergunta que muitos devem se fazer: autismo tem cura? A resposta é não. Ao receber o diagnóstico de TEA, deve-se entender que será uma condição levada para a vida toda. Será o tratamento que definirá a forma que o indivíduo se desenvolverá. 

O tratamento tem por objetivo a redução dos sintomas para o desenvolvimento de habilidades sociais e comunicação. Como já mencionado, tudo vai variar de pessoa para pessoa, não há um tratamento específico porque não há apenas um nível único de autismo.

Entre as possibilidades de tratamento se encontram consultas com fonoaudiólogos, métodos como ludoterapia e grupos de habilidade sociais. O uso de medicamentos também é uma opção, mas não para o autismo. Eles servem para ajudar em determinadas situações como agressividade, ansiedade, hiperatividade, alterações de humor, etc.

Quais os “níveis” de autismo?

Quando a medicina fala em níveis de autismo, consideram  como níveis de intensidade dos sintomas atrelados ao autismo. Esses sintomas, ou sinais, foram categorizados pelo Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-5)

Esse método foi  desenvolvido para entender a necessidade de suporte que a pessoa com TEA necessita. A partir da gravidade de determinado sintoma, é definida a forma de se auxiliar a pessoa no dia a dia. 

Por exemplo, a pessoa autista nem sempre precisará de apoio em todas as esferas. Podem ocorrer casos que ela precise de suporte em relação às questões de socialização, mas que não apresente necessidade em questões de comportamentos restritos, como manter uma rotina.

Entendendo essa parte, é importante ressaltar que uma pessoa diagnosticada com autismo, não deve ser definida por um nível. As fronteiras entre os níveis são fluidas, pois estão relacionadas aos níveis de suporte que o autista deve ou pode receber. Abaixo, vamos analisar as principais características de cada nível. 

A cada ano, a medicina procura retirar a ideia de nível leve, moderado e grave nas explicações sobre autismo, pois é comum confundir as famílias, que temem a severidade do transtorno e procuram meios inapropriados de tratamento para seus filhos. 

Nível 1

Sintomas que se enquadram no nível um são considerados mais leves, portanto, quando uma pessoa é diagnosticada com este tipo de autismo, o termo utilizado na medicina é Transtorno do Espectro do Autismo, Nível 1 de Suporte. 

Algumas das características desse nível incluem a preferência por rotinas, dificuldades de socialização e comportamentos repetitivos. Haverá a necessidade de um acompanhamento mais brando que auxilie no dia a dia.

Lembrando, existem pessoas que apresentam características de nível um, mas que não possuem prejuízos em seu cotidiano, não precisando de suporte específico. Conseguem se comunicar verbalmente, se relacionar e manter uma rotina tranquila.

Exatamente por essas questões de menos suporte, alguns indivíduos com TEA recebem o diagnóstico tardio. 

Nível 2

Considerado o nível intermediário em relação aos sintomas e a necessidade de suporte. As dificuldades envolvendo comportamentos sociais e de comunicação são mais intensas que as de nível 1. É caracterizado, também, por tendências a rotinas fixas.

Em questões de fala, a pessoa que apresenta essa característica em nível 2 pode ter dificuldades ao se expressar. Utiliza frases curtas e vai tentar abordar temas específicos, dos quais possui mais domínio.

Um autista que se enquadra no Nível 2 de suporte recebe o diagnóstico Transtorno do Espectro do Autismo, Nível 2 de Suporte, mas sempre lembrando que pode ser um nível 2 em um conjunto de dificuldades, mas pode demonstrar facilidades em outras características, não precisando de suporte. 

Nível 3

O nível 3 apresenta as características dos outros níveis só que com maior intensidade, necessitando de mais suporte cotidiano. Quanto a comunicação, apesar de nesse nível ser de uma intensidade alta, algumas pessoas conseguem se comunicar normalmente. Em alguns casos, esse desenvolvimento é devido ao suporte recebido.

Como identificar o autismo?

Os principais sintomas que chamam a atenção dos pais envolvem a comunicação e a socialização. A falta de fala, dificuldade de interação na escolinha, são sinais de que algo está acontecendo.

Muitos pais encaram a descoberta do transtorno como um desafio extremamente difícil. É importante construir uma rede de apoio, contar com ajuda especializada pode atenuar o impacto dos sintomas.

A criação do abril azul visa exatamente despertar a atenção para o tema. Assim, amplia-se o entendimento da condição do espectro autista, pois há certas características e sinais que são descobertos apenas na vida adulta, com prejuízos acumulados no dia a dia por falta de informação, apoio e ajuda especializada. 

Quais os direitos de pessoas autistas na sociedade?

De acordo com a Lei nº 12.764/12, a pessoa com autismo é considerada pessoa com deficiência (PCD), e tem direito a apoio em seu desenvolvimento pedagógico. Esse apoio inclui professores auxiliares, adaptação de conteúdos, suporte para organização, prazos maiores, entre outros.

Portanto, o TEA não é considerado uma doença e uma pessoa com autismo não tem nenhuma aparência específica que demonstra uma doença. É necessário desmistificar algumas questões até para empregadores terem conscientização sobre o caso. 

Ainda, segundo a lei, como PCD, pessoas com TEA possuem prioridades em atendimentos e processos nos quais estão inseridas. 

Como conscientizar os colaboradores sobre autismo?

As campanhas do abril azul motivam as empresas a conscientizarem seus colaboradores. E dentro das empresas é o RH que possui maior sensibilidade para tratar do tema e trazer pessoas capacitadas para falar sobre o assunto, assim como montar um plano interno para a organização. 

O motivo de ser pautado internamente está em promover o bem-estar no trabalho e em criar um espaço inclusivo e acolhedor, até porque pode haver pessoas autistas em qualquer setor. Vale lembrar que um ambiente harmonioso favorece a motivação no trabalho.

Quando se fala em promover comunicação dentro de uma empresa, o primeiro pensamento é voltado para o endomarketing, mas também é possível pensar no desenvolvimento humano geral dos colaboradores. A organização deve promover ações como:

  • Organizar palestras com especialistas sobre o tema para desmistificar estigmas e preconceitos;
  • Sinalizar por meio de decoração em tons de azul na empresa, que naquele mês está sendo celebrado o abril azul;
  • Fazer e distribuir cartilhas informativas sobre o tema, com o intuito de educar os colaboradores para bem se relacionarem com as pessoas autistas da empresa;
  • Dar espaço para que as pessoas com TCA possam partilhar sobre suas vivências.

Além do mais, caso a organização possua trabalhadores autistas, é essencial acolhê-los e promover estruturas adaptadas ao desenvolvimento individual. Também é central estabelecer espaços, especialmente no abril azul, para que eles possam falar sobre sua experiência para todos da empresa, ou ao menos do próprio setor. 

Preconceitos comuns que autistas sofrem

“Todo autista é gênio”. Esse é o primeiro pensamento de muitas pessoas que não tem conhecimento real sobre o tema, o que acaba sendo um ato de preconceito. Sabe por quê? Não é uma condição exata de quem tem autismo. Muitos, inclusive, apresentam grande dificuldade de aprendizagem.

Esse tipo de pensamento acaba atrapalhando quando a pessoa vai em busca de emprego. 

A taxa de desemprego entre PCD’s é alta, e trazendo um recorte sobre os autistas, o número é extremamente preocupante. Em 2020, 80% dos adultos com autismo estavam desempregados. Isso ocorre porque, em muitos casos, as empresas não estão preparadas para lidar com a situação.

Ao abrir sua empresa para a inclusão, em primeiro lugar, deve haver uma preparação. Reconhecer o espaço do autista no mercado de trabalho também é importante. Esses são alguns dos motivos para a campanha de abril azul.

Tenho um funcionário autista: como proceder?

Aproveitando o mês de abril e a campanha abril azul. O desenvolvimento de palestras e estudos sobre os assuntos se tornam necessários. É preciso entender que haverá dificuldades e estar preparado para lidar com elas. Deixar claro para a equipe que pessoas com autismo podem possuir dificuldades de entender mensagens indiretas.

Entender que, muitas vezes, alguns não irão participar de eventos e confraternizações barulhentas ou cheias de gente. Isso não quer dizer que a pessoa é antissocial ou que não gosta dos demais. Lembre sempre a todos que o comportamento é parte das possíveis características do espectro.

A inclusão depende de a empresa ter uma boa comunicação interna, que saiba preparar a equipe e o ambiente.  O ambiente de trabalho deve ressaltar a importância do respeito às diferenças, da empatia e da inclusão.

Pensando assim, criamos um e-book com dicas de Como otimizar e automatizar a comunicação interna na empresa. Baixe logo o seu!

New call-to-action

Contribua com este post