Políticas de RH: quais adotar? 5 boas práticas para avaliação

Políticas de RH: quais adotar? 5 boas práticas para avaliação

Políticas de RH: quais adotar? 5 boas práticas para avaliação

As políticas de Recursos Humanos (RH) são de suma importância para as corporações contemporâneas. Afinal, elas já perceberam que a maior fonte de seu capital é proveniente de equipes de alta performance atuando em seu quadro de colaboradores.

Quer montar as políticas internas, mas não sabe como? Baixe o modelo GRATUITO e tenha um manual de normas e políticas internas totalmente customizável, para as normas e políticas da sua empresa!

Logo, tornou-se uma necessidade avaliar e aprimorar as estratégias de RH para garantir uma melhoria contínua, tanto do quadro de funcionários, como da produtividade. Também é preciso estar atento à qualidade do serviço prestado e à motivação dos integrantes da corporação de modo geral.

Pensando nisso, vamos expor, neste artigo, quais são as políticas de RH e quais as melhores práticas para avaliar se elas estão sendo eficientes. Ficou curioso? Então, siga a leitura e confira!

O que são políticas de RH?

As políticas de recursos humanos são as normas e procedimentos internos estabelecidos para conduzir e direcionar os colaboradores em relação a como eles devem agir dentro da empresa. Além disso, elas também definem como a empresa atua em seus processos relacionados à gestão de pessoas. Seu objetivo é garantir um padrão nas atividades e fazer com que a atuação dos colaboradores esteja alinhada aos objetivos dos negócios. 

Qual a importância das políticas para a empresa?

Essas políticas funcionam como um guia estratégico para a gestão de pessoas, em que seu intuito é alcançar todos os objetivos e metas dos negócios. Ao ter todas as normas, procedimentos e um padrão eficiente definido para cada processo, se torna mais fácil alcançar melhores resultados e aprimorar o desenvolvimento da organização. Afinal, elas contribuem para a qualidade e a melhoria das atividades prestadas, a formação de equipes de alta performance, a atração e retenção de talentos e a motivação dos colaboradores no dia a dia corporativo.

Quais políticas de RH devem ser adotadas?

As políticas do setor devem estabelecer ordem para a empresa, para os processos internos e para as ações dos colaboradores. Para que isso ocorra, é preciso criar normas e procedimentos internos para que toda a equipe saiba como deve agir em relação às rotinas diárias e em determinadas situações. Veja alguns exemplos principais que devem ter normas e políticas internas definidas:

  • Emenda de feriados e férias;
  • Código de vestimenta;
  • Política de horário de trabalho;
  • Política de home office;
  • Uso de áreas comuns;
  • Uso de email e computador;
  • Recebimento de presentes;
  • Uso do estacionamento.

Além disso, os processos do RH também devem ser bem estruturados e com suas políticas bem definidas. Dentre as inúmeras e fundamentais atividades que esse setor pratica, podemos citar avaliação de desempenho, aplicação de treinamentos, processos de recrutamento e seleção, plano de cargos e salários, entre outras. Elas são atividades indispensáveis para o crescimento contínuo da empresa

No próximo tópico, abordaremos como criar políticas para cada um desses processos. Continue acompanhando!

Como criar políticas de RH para cada área?

Antes de explicarmos quais são as formas de avaliar as políticas de RH, vamos expor quais são as políticas que devem ser adotadas dentro de cada processo do setor de RH. Confira abaixo:

1. Avaliação de desempenho

Para elaborar a política da avaliação de desempenho, é preciso definir qual sistema é o mais adequado para avaliar os colaboradores. Estabeleça quais estratégias serão utilizadas, como por exemplo feedbacks sobre a atuação dos profissionais e análise de resultados. 

Tenha definido qual será a frequência da avaliação, quais métodos e critérios serão utilizados, quando irão ocorrer as reuniões de feedback, quais profissionais ficarão responsáveis pela tarefa, etc. Lembre-se que com as avaliações é possível motivar os profissionais e fazer com que eles tenham um melhor desenvolvimento na empresa.

2. Programa de treinamento e desenvolvimento

O próximo passo é definir a política de treinamento e desenvolvimento. É importante saber como os treinamentos serão oferecidos aos colaboradores, quais temas serão abordados, qual será o modelo de aprendizagem e quem irá ministrar as aulas. Outra questão fundamental é saber alinhar a estratégia de T&D aos objetivos e metas da organização para atingir os resultados esperados.

3. Processos de recrutamento e seleção

Os processos de recrutamento e seleção também necessitam de procedimentos já estabelecidos. Defina quais serão as estratégias para atrair talentos, como será feita a divulgação de vagas, quais serão os critérios de seleção, etc. Esse padrão de contratação deve estar alinhado com o perfil da empresa. Assim, é possível contratar os melhores profissionais do mercado, que sejam compatíveis com a organização e suas expectativas.

4. Cargos e salários

Já em relação aos cargos e salários, é essencial ter um plano com as faixas de remuneração para cada função na empresa, com a hierarquia interna e com os critérios referentes a cada estágio de crescimento do colaborador dentro da organização. Defina políticas em relação às competências técnicas necessárias, qualificação profissional, soft skills (exemplo: capacidade de liderança), quanto tempo de empresa o profissional precisa para alcançar cargos superiores, etc. Um bom plano de cargos e salários pode ser uma excelente estratégia para atrair talentos e para motivar os colaboradores. 

5. Benefícios

Lembre-se também da política de benefícios. Estabeleça um padrão e deixe claro aos colaboradores seus direitos e deveres dentro da organização. Defina os prazos e as condições para cada benefício, seja vale-transporte, convênio médico, reconhecimento, etc. Não esqueça que o pacote de benefícios é um forte diferencial competitivo.

No cenário atual, os benefícios flexíveis são mais vantajosos e se tornaram um atrativo para os talentos do mercado. Contudo, mesmo sendo flexíveis, a empresa ainda deve definir uma política para que o colaborador saiba como funciona e entenda quais são os seus direitos.

6. Clima organizacional

Ao aplicar pesquisas de clima organizacional, o RH pode identificar quais são as estratégias necessárias para engajar os colaboradores e tornar o ambiente de trabalho mais harmonioso. Por isso, é importante definir questões como: com que frequência o questionário será aplicado, quem ficará responsável, qual será o modelo utilizado, etc.

7. Segurança da informação

O setor de RH lida com inúmeros dados e informações confidenciais dos colaboradores, como remuneração ou outros dados pessoais. Por isso, é preciso estabelecer normas e procedimentos para manter a segurança da informação. Para isso, as políticas precisam incluir questões como senhas, acessos, permissões e outros fatores que envolvam a gestão documental, como o ciclo de vida dos documentos, incluindo o seu descarte seguro.  

Lembre-se que a Lei Geral de Proteção de Dados já está em vigor e todas as empresas devem estar em conformidade com a legislação. Seu objetivo é estabelecer um padrão alto de proteção aos dados sensíveis. Caso a organização não cumpra os procedimentos,  ela pode sofrer multas e penalidades significativas. 

Você pode conferir mais sobre os impactos da LGPD no RH aqui.

8. Comunicação interna

Por fim, temos a política de comunicação interna. Defina os meios oficiais em que as informações devem ser passadas aos colaboradores e onde acontecerá a troca de ideias de forma horizontal também: mural de informações, emails institucionais, distribuição dos holerites, boletim interno, chats ou até mesmo por um jornal informativo. Tenha em mente que os meios estabelecidos devem melhorar a comunicação com os colaboradores, portanto, utilize a linguagem adequada para cada situação.

Nesses casos, você pode utilizar a tecnologia a seu favor. Um software de comunicação interna pode auxiliar neste processo e facilitar o registro de todos os processos e informações que foram passadas aos profissionais.

5 boas práticas para avaliar as políticas de RH da sua empresa

É imprescindível avaliar se as estratégias utilizadas por esse setor estão trazendo, de fato, os benefícios esperados e melhorando os indicadores da companhia, como prometido. Vejamos, nos próximos tópicos, como podemos avaliar as políticas de RH:

1. Estabelecer indicadores de desempenho

O primeiro passo para avaliar as políticas de RH é estabelecer indicadores de desempenho. Esses índices vão expor quais as práticas que estão sendo rentáveis para a corporação e quais são aquelas que precisam ser lapidadas para que se tornem eficientes.

Por exemplo: um indicador para avaliar o processo de recrutamento e seleção é a taxa de turnover ou taxa de rotatividade. Esse índice vai mensurar a quantidade de admissões e demissões de funcionários em um determinado período e os motivos para tal.

Logo, quando a quantidade de ambas é alta, entendemos que a seleção dos profissionais não está alinhada ao perfil da corporação, o que faz com que eles sejam rapidamente substituídos. Essa avaliação pode ser realizada em todas as políticas de RH, para que seja possível criar um plano de ação para melhorar os indicadores.

2. Realizar o diagnóstico do setor

Outra ação importante é realizar o diagnóstico do setor. Trata-se da avaliação sobre a motivação e a satisfação dos profissionais que atuam nessa área. É preciso observar se eles têm objetivos de longo e curto prazo a ser cumpridos, verificar se há profissionais suficientes para realizar o trabalho ou se há sobrecarga de tarefas. Além disso, mensurar se a companhia oferece os subsídios necessários às práticas que precisam ser realizadas.

Ao realizar esse diagnóstico, fica mais simples olhar para o setor de modo mais justo, analisando qual melhoria precisa vir dos profissionais e qual melhoria depende de ações corporativas. Dessa forma, as cobranças indevidas são evitadas e é possível promover a melhoria em conjunto.

3. Escutar os colaboradores

Já que os colaboradores são o público-alvo das políticas de RH, nada mais justo do que pedir a eles que deem seu posicionamento sobre o trabalho desempenhado pelo setor. Desse modo, é possível identificar os pontos fortes e os pontos de melhoria. É também uma oportunidade de esclarecer ao funcionário sobre essas práticas e sobre o que pode ou não ser realizado, com base em suas expectativas.

Com isso, o profissional vai se sentir protagonista da companhia e vai atuar com mais engajamento. Por outro lado, a empresa terá uma visão sobre como o setor de RH é considerado por seus colaboradores e se essa é a visão ideal ou se ela deve ser lapidada e modificada.

4. Identificar o ROI do RH

Mais uma ótima forma de avaliar as políticas de RH é calculando o ROI (retorno sobre investimento) do setor. Com essa informação, torna-se fácil mensurar o valor que a empresa está investindo em suas práticas de RH e quanto ela está recebendo sobre esse investimento. Logo, se o valor que a companhia está recebendo for menor do que o investido, essas práticas precisam ser repensadas.

É relevante fazer esse cálculo, pois o setor de RH é um dos pilares de sustentação da empresa. Quando ele não está atuando de maneira eficiente, todos os integrantes da corporação são prejudicados.

Para calcular o ROI, é preciso utilizar a seguinte fórmula: ROI = (lucro – custo) / custo. Ou seja, se o gasto com as políticas de RH for de R$5.000,00 e o lucro for de R$25.000,00 no período de 6 meses, seu ROI ficará dessa forma: ROI = (25.000 – 5.000) / 5.000 = 4.

5. Aplique e receba feedbacks constantes

Por fim, aplique e receba feedbacks constantes do setor. A comunicação aberta é uma excelente prática de diagnosticar o que precisa ser melhorado, o que está dando certo e o que carece de mais investimento. Também é importante entender quais são as expectativas dos profissionais atuantes na área e como todos podem trabalhar em conjunto para gerar melhorias.

Um setor que atua para promover satisfação, motivação e desenvolvimento contínuo precisa estar engajado e ser tão valorizado quanto os demais colaboradores da corporação. Com isso, será possível desenvolver uma equipe parceira, que trabalha em conformidade com as expectativas da empresa e busca atingir os seus objetivos.

Como vimos, para avaliar as políticas de RH, é necessário observar as práticas do setor de maneira disciplinada, com foco em resultados e mensuração da efetividade das estratégias utilizadas. Dessa forma, a companhia consegue otimizar cada vez mais o setor e, consequentemente, melhorar a empresa de modo geral, afetando o clima organizacional, fortificando sua cultura e conquistando equipes de alta performance.

Neste conteúdo, vimos o quanto as políticas de RH são essenciais para o bom funcionamento de uma empresa. Para te auxiliar na elaboração delas, você pode baixar o nosso manual gratuito para te guiar na definição das normas e políticas internas da sua empresa. E mais! Você pode customizá-lo de acordo com as necessidades da companhia. É só clicar aqui e baixar!

Então, o que achou do nosso artigo? Siga-nos em nossas redes sociais para ter acesso a mais conteúdos como este. Estamos no Facebook, Twitter e LinkedIn!

New call-to-action

Marcelo Furtado

Marcelo Furtado é administrador de empresas com pós-graduação em engenharia financeira pela Poli-USP. Iniciou sua carreira na Pepsico e posteriormente trabalhou 8 anos com gestão de ativos em hedge funds. É cofundador da Convenia, primeiro software na nuvem de gestão de departamento pessoal voltado para pequenas e médias empresas no Brasil. Marcelo também atua como professor de Marketing Digital na ESPM-SP e mentor na ACE e Google Campus.

Contribua com este post