Julho verde e amarelo: mês da conscientização do câncer de cabeça e das hepatites virais

Marcelo Furtado
Cultura Organizacional
  14 min. de leitura

É importante que gerentes de RH saibam introduzir a conscientização social no âmbito corporativo, para que assim a cultura organizacional e o respeito à sociedade se fortaleçam. E para isso, existem diversas campanhas especiais, como é o caso do Julho Verde e Julho Amarelo. 

Essas duas abordam os temas de câncer de cabeça e pescoço, e prevenção e controle das hepatites virais, respectivamente. Mas, além delas, há outras datas mensais que o RH pode levar para a instituição, nas quais diferentes aspectos da saúde são abordados. São elas: 

Neste texto, você aprenderá todas as informações relevantes sobre as temáticas do Julho Verde e Amarelo, para então levar prevenção e conscientização sobre essas enfermidades aos seus colaboradores. Confira!

Origem das campanhas

No Brasil, há algum tempo, vemos o movimento colorido para campanhas de conscientização e prevenção da saúde crescer. Elas surgiram com a intenção de alertar as pessoas sobre certas doenças, condições, síndromes e cânceres, para que dessa forma possa ser feito a prevenção e diagnóstico precoce. 

No caso do Julho Verde, a campanha foi idealizada pela Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG Brasil) e implementada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP). 

A principal motivação foi informar o quão eficaz é o tratamento do câncer de cabeça e pescoço quando feito precocemente. Por isso, é essencial realizar uma investigação para diagnóstico assim que percebido os sintomas. 

O slogan “Desperte a esperança, venha para o Julho Verde” tem o intuito de mostrar, inclusive para aqueles já em tratamento, que é possível haver cura. 

Já o Julho Amarelo é uma campanha instituída pela Lei nº 13.802/2019, que visa promover uma educação sobre as hepatites virais. Segundo a OMS, desde 2002 o Brasil já teve 75 mil óbitos decorrentes de hepatites virais. 

Por isso que o Governo Federal promove, assim, ações de vigilância, prevenção e controle, diminuindo riscos de contração dessas doenças. Inclusive, a simbologia da cor amarela foi definida pela decorrência do amarelado dos olhos e pele apresentado nos infectados. 

Sendo assim, é nítida a importância de implementar essas campanhas no endomarketing da sua empresa. Será dessa maneira que haverá a promoção de saúde, para que assim haja a prevenção, diagnóstico precoce e tratamento correto. 

A importância da conscientização do câncer de cabeça e pescoço

O câncer de cabeça e pescoço representa um grupo de cânceres de boca, seios paranasais, nariz ou garganta. Pessoas tabagistas são as que mais apresentam risco de desenvolver a patologia, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Conforme a instituição, 35 mil a 40 mil brasileiros apresentam a doença anualmente. É o segundo câncer mais encontrado em homens, o quinto em mulheres e o sétimo mais comum no Brasil. 

Por conta desse alto índice, a campanha do Julho Verde é extremamente significativa e passível de ser implementada nas corporações. 

Sintomas 

Inicialmente, a doença pode ser silenciosa, já que não há sinais visíveis. Porém, após estar em um estado um pouco mais avançado, os sintomas são perceptíveis e de fácil aparição, principalmente por ocorrerem na boca, seios paranasais, nariz e garganta. 

Os principais sintomas relacionados ao câncer de cabeça e pescoço, são:

  • dores nos ouvidos e/ou pescoço;
  • rouquidão ou dificuldade para falar;
  • dificuldade para engolir;
  • dor ou secura na garganta; 
  • feridas persistentes na boca;
  • emagrecimento sem causa definida;
  • ferida aparente na face; 
  • aumento dos gânglios linfáticos ou nódulo. 

A informação dada pelo Inca é de que quase 60% dos casos de câncer de cabeça e pescoço são diagnosticados tardiamente. Sendo assim, quando houver a observação de algum desses sinais, é necessário que a pessoa procure um atendimento médico o quanto antes. 

Prevenção

Como dito, o tabagismo é um fator de risco para o desenvolvimento da doença. Todavia, esta não é a única causa. O consumo excessivo de bebidas alcoólicas, principalmente se estiverem associadas ao fumo, também é um agravante.

Além disso, pessoas infectadas pelo papilomavírus humano (HPV) possuem maiores chances de apresentar a patologia. 

Sendo assim, as principais formas de prevenção do câncer de cabeça e pescoço, são:

  • evitar vícios ou consumo excessivo de tabaco e bebida alcoólica; 
  • utilizar preservativo durante todo ato sexual;
  • se vacinar contra o HPV;
  • ter uma alimentação saudável;
  • preservar a higiene bucal;
  • usar protetor solar diariamente;
  • frequentar o dentista regularmente.

Tratamento 

Há três formas de realizar o tratamento do câncer de cabeça e pescoço. São elas:

  • cirurgia;
  • radioterapia;
  • quimioterapia. 

O principal deles é o procedimento cirúrgico, pois quando o caso ainda está localizado, é mais simples fazer a remoção do tumor sem que haja uma maior lesão na saúde da pessoa. Sendo assim, caso o nódulo se apresente na mandíbula, lábios ou língua, a retirada daquela parte é feita e realizada uma cirurgia plástica para recompor. 

Além disso, o acompanhamento fonoaudiólogo também é muito recomendado para que haja uma maior recuperação da fala e deglutição. 

Porém, quando a doença já está em metástase, ou seja, já se disseminou para outras regiões do corpo, o recomendado é fazer radioterapia ou quimioterapia. 

A luta contra as hepatites virais

As hepatites virais são infecções que atingem o fígado de forma branda, moderada ou grave, tornando assim o processo de desintoxicação do organismo muito mais complicado. 

Segundo o Boletim Epidemiológico Hepatites Virais 2021,  600 mil casos de hepatites virais ocorreram nos últimos 20 anos no Brasil. O ranking de infecção por doença, é:

  • 24,4% para hepatite A;
  • 36,9% para hepatite B;
  • 38,1% para hepatite C;
  • 0,6% para hepatite D;
  • sem registros significativos para a hepatite E. 

Em 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) criou metas para que o Brasil reduza novas infecções em 90% e a mortalidade decorrente de hepatite em 65%, até o ano de 2030. Por isso que o Julho Amarelo se faz tão necessário de ser implementado nas empresas e sociedade em geral. 

Tipos de hepatite

Muitas pessoas não sabem quais são as hepatites virais ou pensam que há apenas dois ou três tipos. Porém, existem no mínimo 5 doenças decorrentes dos vírus, onde suas principais diferenças estão na transmissão e evolução do quadro clínico

Inclusive, algumas dessas patologias quando não tratadas corretamente, podem se tornar crônicas e auxiliar no desenvolvimento de cirrose e câncer no fígado. 

De maneira em geral, os sintomas das hepatites virais podem ser ausentes, ou então ter sua aparição entre 15 dias e 6 meses, dependendo do tipo de doença. Os sinais apresentados podem variar entre: 

  • cansaço;
  • febre;
  • enjoo; 
  • tontura; 
  • dor abdominal; 
  • alteração na coloração da urina e das fezes;
  • aspecto amarelado na pele.

Confira abaixo mais detalhes sobre as hepatites virais que, em suma, possuem alguma aparição no Brasil. 

Hepatite A

Esta é a chamada “hepatite infecciosa”, a qual possui uma transmissão fecal-oral. Isso significa que ela está ligada às condições de saneamento básico e higiene, onde a pessoa entra em contato com o vírus através da água ou alimentos contaminados. 

O lado positivo é que suas consequências costumam ser leves e pode até ter uma cura independente. Além disso, existe a vacina contra o VHA (vírus da hepatite A), disponibilizada pelo SUS. 

Hepatite B

Comumente encontrada no Brasil, a hepatite B tem sua transmissão feita através de fluidos corporais, como sangue, secreções, entre outros. 

Isso significa que, ao utilizar um objeto pessoal contaminado, ter relações sexuais desprotegidas com alguém infectado, entre outros casos, há risco de se contrair a doença. Além disso, gestantes que apresentam hepatite B podem transmitir a patologia para seu bebê. 

O lado positivo é que também existe vacinação contra o VHB (vírus da hepatite B), disponibilizada pelo SUS. 

Hepatite C

Este é o tipo mais comumente encontrado, e sua transmissão ocorre via fluidos corporais.  Ela é considerada uma epidemia cinco vezes maior que a da AIDS/HIV e também é a principal causa de transplantes de fígado, conforme dados do Ministério da Saúde. 

Quando a infecção causada pelo vírus HBV atinge um estado crônico, pode causar cirrose, câncer de fígado e levar a pessoa a óbito. Por isso, é extremamente importante que sejam feitas as devidas prevenções e diagnósticos precoces, a fim de evitar complicações no organismo. 

Hepatite D

A hepatite D está direta ou indiretamente relacionada à hepatite B. As formas de transmissão são as mesmas, e a infecção desta ocorre apenas em pacientes que possuem hepatite B. Por isso que a vacinação contra o VHB também é válida neste caso. 

Hepatite E

Esse último tipo de hepatite viral é raro no Brasil, e se assemelha com a hepatite A, já que sua transmissão e seus sinais são os mesmos. A maior complicação que pode ocorrer é em mulheres grávidas infectadas, por isso é essencial realizar o pré-natal para a identificação dessa enfermidade.   

Prevenção

É importante ressaltar que a maneira mais eficaz de se prevenir das hepatites virais é através da vacinação. No Sistema Público de Saúde (SUS), são oferecidas vacinas contra hepatite A e B, onde esta última também serve como defesa contra a hepatite D. 

A prevenção das infecções fecal-oral, como as hepatites A e E, consiste em: 

  • lavar as mãos sempre ao manipular alimentos ou ir ao banheiro; 
  • lavar e demolhar alimentos que serão consumidos crus com uma água tratada ou fervida; 
  • lavar bem as louças utilizadas para consumo de alimentos; 
  • desinfetar objetos, bancadas e chão de áreas compartilhadas, como, por exemplo, a copa da empresa, com hipoclorito de sódio a 2,5% ou com água sanitária. 

Já para as contaminações causadas por fluidos corporais, como é o caso das hepatites B, C e D, as recomendações de prevenção são: 

  • utilizar preservativo durante todas as relações sexuais; 
  • não compartilhar objetos de uso pessoal;
  • evitar o compartilhamento de objetos perfurocortantes; 
  • realizar a profilaxia nas crianças nascidas de uma gestante infectada. 

Tratamento 

O tratamento, de maneira geral, pode variar a cada caso. Normalmente, após a análise do quadro médico do paciente, é prescrita uma medicação que controle os sintomas relatados, assim como para evitar ou diminuir a desidratação. 

Em estágios agudos ou crônicos, ainda é realizado um acompanhamento médico para evitar complicações de cirrose ou desenvolvimento de câncer no fígado. 

Além disso, não consumir bebidas alcoólicas ou outras substâncias entorpecentes, ter uma alimentação saudável e repousar são outras recomendações gerais que podem ser passadas para qualquer pessoa que esteja infectada pelo vírus da hepatite. 

Todavia, em casos que ocorrem insuficiência hepática aguda, deve ser feita a hospitalização o mais rápido possível. 

Julho verde e amarelo: campanhas nas empresas

Agora que você já compreendeu do que se trata as campanhas do Julho Verde e Julho Amarelo, chegou o momento de aprender a colocar em prática no ambiente organizacional. 

A tarefa do RH é procurar maneiras de implementar 3 ações: solidária, informativa, e de promoção à saúde. Assim, basta adaptar cada prática à realidade da campanha de conscientização. 

Primeiramente, a elaboração de materiais informativos servirá como meio de tornar a conscientização mais didática e eficaz. 

Lembre-se de que hoje em dia há diversos recursos para se utilizar e assim sair apenas do básico panfleto ou flyer. Portanto, procure desenvolver vídeos, imagens, áudios, arquivos, entre outros que comuniquem adequadamente o tema

Por exemplo, para seus colaboradores, pode ser feito um vídeo do gestor falando da importância da prevenção e incentivando-os a lerem um material rico elaborado pela empresa sobre os cuidados necessários. Ou ainda, realizar palestras e gamificação de algum assunto de conscientização sobre o tema. 

Já para seus clientes, fazer publicações e lives nas redes sociais é uma forma de mantê-los engajados e demonstrar a preocupação por parte da corporação sobre esse assunto. 

Por último, para proporcionar e promover o bem-estar e a saúde, várias ações podem ser colocadas em prática, como:

  • voucher ou parceria com academias;
  • disponibilizar uma alimentação saudável na instituição;
  • oferecer exames e consultas médicas sobre o tema da campanha; 
  • desenvolver ginástica laboral para os colaboradores;
  • possuir uma política de higiene e limpeza rígida; 
  • entre outros. 

Dessa maneira, todos os três pilares estarão muito bem executados e você conseguirá fortalecer a mensagem da campanha de conscientização com maior êxito. 

Papel do RH na saúde dos trabalhadores 

Além de produzir campanhas preventivas, o RH deve informar os direitos dos colaboradores sobre a saúde. Neste caso, aborda-se a licença-médica, defendida na Lei 7.003

Os trabalhadores que, por decorrência de algum problema de saúde, não conseguem executar suas atividades laborais, possuem direito ao afastamento remunerado

Em suma, é necessário que o profissional tenha contribuído ao INSS por, pelo menos, 12 meses para ter direito a licença-médica. Dessa forma, caso o afastamento seja de até 15 dias, não haverá desconto na folha de pagamento. Todavia, se for superior, será necessário dar entrada ao benefício na Previdência Social.  

Além disso, o colaborador que apresentar alguma das doenças poderá ter falta justificada para realizar exames, conforme defende o artigo 473 da CLT

O papel do RH na saúde dos trabalhadores é zelar pela integridade e segurança. Por isso que o controle de ASO é essencial nesses casos. Através dele é possível fazer um acompanhamento do histórico médico, identificando assim indícios de doenças com mais facilidade, e encaminhando o profissional para os exames adequados. 

Para melhor amparar os colaboradores, o RH pode oferecer a todos um plano de saúde que viabilize exames, consultas médicas, cirurgias, entre outros. Além disso, com essa opção, é possível que eles adicionem familiares ao plano e garantam uma maior proteção para aqueles que amam. 

Para melhorar a sua organização e não deixar você esquecer de nenhuma estratégia de endomarketing ao longo do ano, a Convenia elaborou o Planner RH e DP 2022. Nele, você encontrará um calendário do RH focado para cada área, terá checklists e templates personalizados, receberá materiais para serem utilizados a cada mês.

E o melhor de tudo é que ele está disponível para download gratuito

New call-to-action

Compartilhe nas redes sociais

Posts Relacionados

Contribua com esse post

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Plataforma para gestão de departamento pessoal online.

Automatize suas rotinas de RH e Departamento pessoal e controle os dados de seus funcionários em um único lugar, de onde estiver.

Quer receber todas as novidades do nosso blog?

Se inscreva abaixo e receba conteúdos exclusivos!

[PLANILHA GRATUITA]Cálculo de Turnover

Em parceria com a Escala, desenvolvemos uma planilha com fórmulas prontas para você calcular a rotatividade dos colaboradores na sua empresa. Confira! 🚀