7 Ideias para melhorar o offboarding nas empresas!

Poucas empresas se atentam para a importância de um processo de offboarding bem executado. São inúmeras tarefas e rotinas que precisam ser preenchidas em um desligamento de colaborador.

Fazer este processo sem planejamento poderá prejudicar a imagem da organização no mercado e dificultar futuras contratações. Dessa forma, tem se observado um crescente número de empresas preocupadas em garantir um desligamento eficiente e tranquilo.

Neste artigo apresentaremos ideias para você fazer um processo de offboarding de maneira correta em seu departamento de recursos humanos. Acompanhe!

7 ideias para o processo de offboarding ou desligamento de colaboradores

1.Remoção de itens pessoais 

Informar ao colaborador para retirar seus itens pessoais no seu último dia de trabalho. Lembre-o de que ele não terá mais acesso ao escritório e se esquecer algo não será responsabilidade da empresa manter o item armazenado.

2. Devolução de objetos de uso profissional e da empresa 

Garanta que o colaborador devolva todos os itens de propriedade da empresa como computadores, mouses, telefones celulares e qualquer outro item que a organização tenha fornecido no momento da contratação.

Para esta demanda, o ideal é que o RH tenha listado os itens para conferência.

3. Folha de pagamento 

Informar o responsável pela folha de pagamento, ou fazer a integração sistêmica, para que o colaborador seja excluído dos próximos pagamentos. 

Não cumprir essa etapa pode ocasionar em transferências financeiras indevidas para o ex-colaborador.

4. Benefícios corporativos 

É preciso garantir que todos os operadores de benefício corporativo cujo colaborador esteja inscrito sejam comunicados do seu desligamento e, consequentemente, do término da sua cobertura. 

Fique atento pois alguns benefícios como seguro saúde e seguro odontológico preveem a continuidade dos serviços pelo ex-colaborador com base em algumas condições.

5. Questionário de desligamento

A entrevista de desligamento é um dos processos mais importantes do RH nesse momento de offboarding. Entender algumas questões da pessoa que está sendo desligada pode te ajudar a construir uma empresa muito melhor para os futuros colaboradores.

Saber se antes de sair ele buscou outras oportunidades internas, qual o principal motivo do colaborador querer deixar a empresa, entender como ele julga a experiência dele. Tudo isso são informações estratégicas para o RH.

Quer obter essas informações valiosas? Então, baixe agora mesmo o nosso manual: Entrevista de desligamento – passo a passo para o RH.

6. Indicações

Algumas empresas têm um programa de indicação de talentos profissionais. Funciona assim, os colaboradores internos sugerem nomes de amigos, familiares ou conhecidos, que têm a possibilidade de serem contratados pela empresa. Essa prática pode ser estendida para o offboarding.

Em especial quando o desligado teve um bom relacionamento com a empresa. Nesse caso, o ex-colaborador não terá impedimentos emocionais ou pessoais com a organização que o levem a não indicar ninguém para trabalhar nela.

Pelo contrário, fará isso com prazer e boa motivação. Para a área de recrutamento, boas indicações são como um “meio caminho andado” na busca por novos colaboradores – inclusive para ocupar o cargo exercido pelo profissional demitido.

7. Suporte

O offboarding pode ser uma fase bem estressante e desanimadora para o profissional. Para amenizar esses e outros sentimentos, é importante que o RH ofereça orientação clara sobre todo o processo de desligamento, procedimentos documentais, direitos trabalhistas e como dar entrada em benefícios previdenciários.

Além disso, o RH pode disponibilizar suporte emocional por meio de conversas entre o ex-colaborador e o psicólogo da empresa. Certos benefícios, como sessões de terapia mental, podem ser estendidos por mais alguns meses – caso o profissional precise usá-los.

Todas essas práticas fazem parte de um processo ideal. Afinal, o offboarding não deve ser feito de forma fria e mecânica, como se o profissional fosse apenas um objeto a ser descartado e substituído.

No entanto, o ex-colaborador precisa perceber que o desligamento foi o fechamento de um ciclo e a preparação para o próximo. Dessa forma, o tempo que trabalhou na empresa será relembrado com carinho e satisfação.

Benefícios de um bom offboarding

Segundo uma pesquisa realizada pela Aberdeen Strategy & Research, apenas 29% das organizações respondentes tinham um processo de offboarding estruturado. 

Esses números revelam uma grande verdade: muitas empresas se preocupam com a eficiência do onboarding, mas não dão a mesma atenção ao offboarding.

Se essa é a realidade em uma instituição, vários benefícios são perdidos. Uma vez que um bom processo de desligamento ajuda:

  • Na obtenção de informações sobre os motivos que levam os profissionais a deixarem a empresa;
  • A conseguir dados para a definição de estratégias de minimização dos índices de turnover (rotatividade de profissionais);
  • No fortalecimento da employer branding (marca empregadora);
  • A entender o que as outras empresas fazem para atrair funcionários efetivos das organizações;
  • Na coleta de feedbacks valiosos sobre a liderança, salários, benefícios, gestão de pessoas etc.

Já houve quem comparasse a demissão ao processo de divórcio – com os mesmos efeitos emocionais. No entanto, o offboarding não precisa ser traumático. Como vimos, se forem adotadas boas estratégias, a quebra do vínculo com a empresa será amigável.

O que achou do nosso artigo? Gostou de conhecer ideias para melhorar o offboarding da sua empresa? Então, aprenda agora como conduzir uma entrevista de desligamento por meio de um manual que apresenta um passo a passo. Boa leitura!

New call-to-action

Marcelo Furtado

Marcelo Furtado é administrador de empresas com pós-graduação em engenharia financeira pela Poli-USP. Iniciou sua carreira na Pepsico e posteriormente trabalhou 8 anos com gestão de ativos em hedge funds. É cofundador da Convenia, primeiro software na nuvem de gestão de departamento pessoal voltado para pequenas e médias empresas no Brasil. Marcelo também atua como professor de Marketing Digital na ESPM-SP e mentor na ACE e Google Campus.